quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

Caminhos

Ao invés de colheita, hoje vou falar de caminhos.
Mas não de caminhos aleatórios, aventureiros,desbravadores (não menos deliciosos...),
e sim de caminhos que a gente contrói ,
se não solidamente , com cautela, para depois desfrutar.
Esperança deveria ser o meu sobrenome hoje. Talvez sempre, dada a minha face sonhadora. Ando construindo meu caminho feito um trilho, dormente por dormente, passo por passo - hora cauteloso, hora atirado. Ansiosa, espero a hora de desfrutar desse trilho, de ouvir o som do trem de minha vida a passar, vagarosamente, por ele. Um som de Maria Fumaça que, sim, cobre o espaço, faz a viagem, mas de forma acolhedora, encantadora até.
Sim, porque para mim, alma de poeta em corpo de mulher, não basta trilhar o caminho: há de se fazer nele muitos amigos, há de se divertir mesmo trabalhando, há de se levar junto todos os que queremos bem. No caminho, recitar versos, ver lindas paisagens, encantar pessoas e se encantar com elas. Abrir as janelas para sentir o frescor da vida, ver suas cores, sentir seus cheiros.
Viver o caminho é bem diferente do que simplesmente passar por ele...dele quero tudo o que tem para me oferecer...e vou aproveitar!
(Mais uma imagem do Grande Rubem, um homem que sabe muito bem viver a vida...)

5 comentários:

  1. estou sem palavras ...te vejo feliz e isso me faz feliz!! tem vaga no trem?Milhoes de beijos!

    ResponderExcluir
  2. A história oculta , é um trem danado de bom!
    Vou dormir no dormente e trilhar o sonho nos trilhos que deixaram de ser paralelos....beijos do norte.

    ResponderExcluir
  3. Caminho. Este teu texto sacudiu as memórias do passado. As memórias de longas conversas que um dia tive com um poeta intemporal. Um poeta que recusava o verbo "ter" porque me dizia que só assim era verdadeiramente livre. Lembro-me do caminho, das escolhas que fez. Seguiu aquele trilho da vida, sempre o mais difícil, mas onde encontrou as mais belas paisagens,as mais intensas emoções.
    E nós, todos que por ele passavam no anonimato dos rostos da rua, lamentavamos aquela figura frágil de mendigo. Apenas aqueles que tinham coragem de o olhar olhos-nos-olhos descobriam um brilho intenso que apenas os eleitos possuem.
    Aos gritos da indeferença dos outros, ele apenas sorria. Sorria com aquela certeza de que quando o último momento chegasse, olharia para trás e num derradeiro pensamento apenas diria: "Valeu a pena!"

    Obrigado Joyce

    ResponderExcluir
  4. Grandes poetas encontro aqui, todos os dias....me encantam ao se encantarem pelos meus textos. A voces devo boa parte de meus sorriso e de minha inspiracao. grat'issima!

    ResponderExcluir
  5. Muitos caminhos e muitas escolhas!!
    A escolha define o caminho, mas quem escolheu será transformado ao longo do caminho e ao fim da jornada o caminho e a pessoa mudaram. O homem que se banhou no rio são agora outro homem e outro rio!

    ResponderExcluir