sábado, 7 de fevereiro de 2009

Pequenos prazeres

Ando pensando na satisfação que sinto nas coisas simples - mas nem por isso menores aos meus olhos atentos - no meu dia-a dia. Pequenos prazeres homeopaticamente colocados no meu caminho, que sinto , acolho e absorvo, como se quisesse fazer uma reserva de felicidade dentro de mim
(para aquelas horas não tão doces...).
São sabores descobertos por acaso - como uma salada de rúcula com pitadas de geléia de morango que provei. São momentos de puro encantamento como o olhar penetrante e desprovido de intenções de uma criança (sim, me perseguem onde vou, principalmente as meninas, como se eu tivesse luz de fada...). São momentos de pura delícia como um cafezinho entre amigos, onde o tempero são as gargalhadas, alternadas com lições de vida. Ou recados delicados enviados por amigos do mundo (poucos, atentos, sem um interesse maior além do acalentar). Sinto, sim, verdadeiro deleite com isso, nos prazeres descobertos distraidamente pelo caminho. E são tantos, de tal efeito instantâneo, deliciosamente escancarados ali, bem na minha frente,
feito presente surpresa! Quem não gosta?
Tenho me policiado, lembrando de um alerta de um amigo que vê em mim muita redundância, muito exagero, uma gula pela vida que ele diz ser sem fim, sem propósito. Não concordo, mas aceito. Talvez pessoas muito machucadas pela vida tenham, sim, esse medo de se entregar a ela de novo, de se abrir para o novo. São movidas a cautela. Se resguardam pelo medo da repetição do erro em si. Seguem por vezes travadas, freio de mão puxado, colocando suas fichas - se é que as usam - apenas nas coisas matematicamente "certas", nas coisas acertadas, nas apostas fechadas. Passam pela vida sem riscos... mas será que a vivem na sua plenitude? Eu também já tive meus tombos, meus revezes, mas sigo teimosa.Posso me ferir, posso até cair de novo, posso me magoar. Mas sigo em frente, "dopada" pelas gotas de felicidade que acho por ai.
Corajosa? Ingênua? Impetuosa? Talvez eu seja , sim, uma mistura de tudo isso.
E, pelo menos até aqui, sigo feliz.

Um comentário:

  1. Ah...seja sempre assim mesmo!!
    Eu também gosto de saborear a vida por inteiro, sem medo indigestão de sensações, prazeres e tristezas! Posso sofrer mas também posso desfrutar de prazeres imensos!!

    ResponderExcluir