quinta-feira, 12 de março de 2009

Frágil


Não sei se é sintonia ou se há algo mais, mas tenho conhecido muitas mulheres que me fazem pensar que o sexo frágil, na realidade, é o homem. São elas pedras raras, lapidadas, que acharam, de forma consciente ou não, sua Guerreira interior. São batalhadoras, são incisivas, são pura energia radiante. Tomam as rédeas da vida, tomam frente de seu exército.
Sabem o que querem - e mais ainda o que não querem -
e seguem seu caminho da melhor forma, sempre com aquele cuidado, ainda maternal,
de não magoar nem ferir o mundo masculino a sua volta. Todo ele.
As que descobrem sua força, sua magia, seu encantamento e , porque não dizer, seu lado de Deusa, fazem vir à tona homens cada vez mais frágeis.
Batalhadores no dia-a-dia, para suprir sua Deusa de seus desejos, mas frágeis.
Dependentes, diria, do que são e do que elas são.
Acomodados, até, a essa figura que os sustenta
da forma mais sútil e forte que possa existir.
Esse parece ser um grande segredo do amor. Descobrir suas armas. E muitas as a serem usadas. Sexo,encantamento, carinho, cuidado, prumo, rumo. Pena as que não as sabem, ou se sabem, se calam, se deixam morrer. Seguem guardando sua força no armário da ilusão ou do medo. Muitas as sabem e fazem o jogo da vida, deixando que seu amor se sinta o mais forte, viril, o seu fio da vida.
Mas não dá para negar: se se deixassem aflorar, vencedoras seriam, sempre.
E eles também a ganhar.

2 comentários:

  1. Bonjour ma blonde!
    "Tes mots ne mentent jamais!"
    Des bises!
    Ana S

    ResponderExcluir
  2. Em tão poucas palavras, muito de nós, homens. E muito do que somos na realidade: seus escravos. Quem dera ser o seu...

    ResponderExcluir