sexta-feira, 27 de março de 2009

São Paulo

São Paulo acordou-me , cedo, com sua vida. Parece não dormir. Parece não parar. Não fecha os olhos. São Paulo , dizem, não dorme nem descansa. Elétrica, agitada feito eu, quando estou em movimento. Mas tem seus oásis, dizem. No falso silencio da madrugada, vejo as pessoas se movendo com preguiça, se arrastando nas ruas, tentando se acostumar com a tal. Começa devagar e se acelera feito motor. Escuto as falas rápidas, sinto a pressa que contagia, as gargalhadas guardadas para depois. São Paulo embrutece, penso. Mas um amigo alerta-me: tem seus oásis. Oásis de cultura, oásis de sabedoria, oásis de vida vivida, oásis de metrópole conhecida, oásis de pessoas que nos recebem bem. Ah, e tem seus cafés , sua comida farta , suas vitrines feito imãs e sua gente que vê na gente um oásis para conversar. São Paulo, descubro, tem seus encantos. Mata as minhas sedes. São Paulo , enfim, recebe-me bem, para que fique, sempre, um gostinho de quero mais...

2 comentários:

  1. Estas em Sao Paulo e nem para avisar os fas!!!! Que lastima perder essa chance de conhecer esses olhos de mar mais de perto, mesmo se sabendo os perigos...Bem vinda a minha terra!!!!

    ResponderExcluir
  2. Espetacular Joyce! Beijos são paulinos da da gaúcha aqui!

    ResponderExcluir