segunda-feira, 20 de abril de 2009

Balanço

Sou um ser do contra: adoro as segundas-feiras.
São como uma porta fechada , espontânea e necessariamente, para balanço. Nelas, nas minhas segundas-feiras, organizo-me, planejo os dias que virão.
Conto minhas nozes.
Nelas, nas segundas, fico esperançosa de tais e tais coisas, deixo de lado tantas outras. Monto estratégias. Mudo caminhos. Fico pensativa, fechada dentro de meu ser para fazê-lo mais forte no amanhã. É , para mim, um dia quieto, de agenda aberta e boca fechada. Um dia de ouvir mais, principalmente meu coração, do que falar. Segunda pede silêncio, meu e do outro. Pede revoada de pensamentos, clareza de idéias, acerto de aparas, poda do que passou e não deixou mais do que galhos secos.
Segunda é dia de inteireza. De revisão. Dia de retrospectiva. De apostas. Dia de saber da Vida o que ela quer de mim e o que tem para me dar. E eu receberei, de forma grata, todo e qualquer presente.
Segunda- feira é dia de porta fechada. Talvez a Vida a abra e entre, mas só ela, sempre ela, única que tem esse poder sobre mim...quem sabe ela mesma me ajude na deliciosa tarefa de ser mais feliz...
E aprendemos, após um tempo.
Aprendemos a diferença sutil entre segurar uma mão e acorrentar uma alma.
E aprendemos que o amor não significa deitar-se. E uma companhia não significa segurança.
E começamos a aprender que os beijos não são contratos. E os presentes não são promessas.
E começamos a aceitar as derrotas, de cabeça levantada e os olhos abertos.
Aprendemos a construir todos os caminhos de hoje,
porque a terra amanhã é demasiado incerta para planos...
E os futuros têm um forma de ficarem pela metade.
E depois de um tempo aprendemos que se for demasiado, até um calorzinho do sol queima.
Assim plantamos nosso próprio jardim e decoramos nossa própria alma,
ao invés de esperarmos que alguém nos traga flores.
E aprendemos que realmente podemos aguentar,que somos realmente fortes,
que valemos realmente a pena.
E aprendemos e aprendemos...E em cada dia aprendemos.
Um poema à segunda-feira , do poeta Jorge Luis Borges

Um comentário: