terça-feira, 14 de abril de 2009

Colo

Acordei hoje meio desprotegida, meio menina, nada mulher. Pensamentos vazios, ação vazia, atos em vão. De onde vem este medo?
De onde vem este anseio de que me levem pela mão e me conduzam, pelo menos hoje, pelo caminho da vida ?
Ah, ser carregada, conduzida , rara sensação. A mão quente na minha, a sensação de leveza, de deixar-se ir. O gosto gostoso de não saber - e mesmo asssim, crer - , de não conduzir, de deixar-se ir. Conforto, abrigo, apoio, confiança, quanta coisa uma mão dada pode dizer, quanta candura, quanto bem querer.
Muitas vezes, de tanto me virar sozinha pela vida, impondo-me à ela dia-a-dia feito uma guerreira, sinto falta disso, dessa cumplicidade, dessa entrega, da confiança depositada no outro. Sinto falta de uma mão conduzindo a minha. De poder fechar os olhos e deixar-me levar. Da doçura, do calor, de todo o amor contido ali, neste momento tão sublime. Sinto falta desse apoio, desse refresco, desse "vem que eu te mostro o caminho".
Ah, mão na mão, beijo na testa, olhar que ama, abraço que abraça, colo que acolhe...gestos tão simples e tão significativos que por eles me entregaria, de corpo e alma, a quem quisesse me levar, a quem me fizesse me deixar levar. Ah, Vida, me pega pela mão, pelo menos hoje. Ah, minha Vida querida, me guia por um dia, ou pela tua vida toda se assim quiseres me levar
Seguirei nua e tua , ao teu bem amar!



2 comentários:

  1. Colo, quero dar-te...a mão, o beijo, o abraço amigo, o amor incondicional que conduz e acolhe, revitaliza e ilumina-nos a caminhada. Tu és minha linda guerreira, paladina do verbo terno e lindo de sentimentos penetrantes, que me atrai tanto, e ainda carente e desprotegida se expressa terna e carinhosa consigo mesma...oh alma menina, mulher! Sigo contigo ainda que não me vejas...
    GL

    ResponderExcluir
  2. Li teu texto, lindo, e te sinto frágil, deliciosamente frágil,pelo menos uma vez. Tua fragilidade te mostra ainda mais forte, mais verdadeira. Inútel sou por não estar ao teu lado! Odeio esta distância que separa meu colo do teu corpo de menina. Aconchega-te em mim e te dou tudo o que guardo para te dar!
    Linda! Minha linda menina! Vem, que meu amor te receberá!

    ResponderExcluir