quarta-feira, 27 de maio de 2009

Cristina

Tenho alma de menina.
Sinto isso cada vez que ando de mãos dadas com o silêncio ensolarado dos finais de tarde. Caminho como se dançasse, vestido solto ao vento. Frescor e perfume de ontem. Envolvo-me com o calor do sol, piso de ponta na terra, passo de balé. Paro para admirar a cor de uma flor, perfume da rosa branca e da rosa rosa. Sinto na palma da mão o veludo do musgo, cheiro de terra. Arranjo a folha da laranjeira para sentir-lhe no nariz. Encanto-me com o pássaro pequeno de canto forte. E da revoada deles para o norte. Sigo o som do riacho, do vento nas folhas do chão. Cato as secas para enfeitar a casa. Rio sozinha do cão que rola no chão, tamanha coceira. Rio, o tempo todo, mesmo que por dentro.
Meu rio, meu alimento.
É, tenho alma de menina.
Uma menina que se esconde nas horas chatas do dia. Mas que reaparece a qualquer hora dele para alegrar-me, mesmo nas ditas horas proibidas. Uma menina que dança com a música da Vida. Que flerta com a Vida. Uma meniva viva, dentro da mulher por vezes morta.
Descubro que ser menina é como estar amando. Tudo tem luz, tudo tem brilho, gosto bom, vida própria.
E eu amo a Vida e o resto pouco me importa.

E já dizia o poetinha Vinícius...
E a coisa mais divina
Que há no mundo
É viver cada segundo
Como nunca mais...

3 comentários:

  1. Meu dia!!!!
    Alma de menina, olhos de mulher.
    Quem resistiria?
    Só quem não sabe o que quer...

    ResponderExcluir
  2. Se existe uma coisa que nos mantem vivas e com vontade de viver é andar de mãos dadas com nossa criança interna. E isso, fazes com maestria.

    ResponderExcluir
  3. Ah! não há tempo para pensar...sigo tua narrativa vendo pelos teus olhos... os do coração. Paisagem que pintas em formas lindas da criança que ve em ti, e eu por misterioso mecanismo te sigo os passos por esse terreno de sonhos e visões... Que dom temos nós criaturas humanas, nessa habilidade extrasensorial...
    GL

    ResponderExcluir