quinta-feira, 28 de maio de 2009

Livro aberto


Ah...as coisas simples da vida, sempre me rodeando...
Existem coisas tão óbvias que, depois que lemos, pensamos
" porque não pensei nisso antes"?
Li em um texto sobre comunicação: "Não se pode não comunicar.
Li, mastiguei, degustei, saboreei com enorme prazer, engoli. Desceu redondo. Tão óbvio. E já falei tantas vezes disso aqui, sem ser sábia ou escritora, pensadora ou filósofa, do que temos todos um pouco -
não só de médico ou de louco.
Se me manifesto, seja por gesto ou fala, comunico-me. Se me calo, se aceito ou me entrego, comunico-me.
Se me rebelo, frente ao errado ou certo, comunico-me. Se amo com os olhos, certezas. Se fugo deles, duvido. Se me isolo, mostro-me fraca. Se me exponho, forte e corajosa. Somos, em cada segundo da vida, comunicação. Pura comunicação. Palavras, gestos, silêncios, tudo diz ao outro o que somos, o que queremos, o que pensamos. Olhares, arrepios, risadas nervosas.
Gargalhadas à toa. Gestos bruscos ou bem elaborados.
Nossa escrita, nossa fala, nosso ser, nosso pensar. Tudo diz de nós.
Livro aberto.
Para os desligados, língua desconhecida.Para os atentos,
ilustrado passo-a-passo.
Ali, tudo de nós.
Páginas abertas, para quem interessar possa.
E o teu gesto
O gesto deles, delas, de toda a gente
São feitos de linhas cruzadas
Como nuvens sobrepostas
Numa tela de muitos ontens
Pedro Campos


2 comentários:

  1. Voce é um livro aberto, você é verdadeira, você uma delícia de pessoa que sabe viver bem a vida, mesmo quando ela não corresponde. Assim, do teu jeitinho menina-mulher, assim do teu jeitinho de nos encantar todo santo dia...

    ResponderExcluir
  2. Fiquei aqui imaginando o som da tua gargalhada...divina! Chega a arrepiar!
    Uma mulher que sabe viver e por isso a vida sempre te sorri! Linda!Linda!Linda!

    ResponderExcluir