sexta-feira, 15 de maio de 2009

Verdadeiro

Não me bastam amores rasos, de pele e de cheiro. Quero mais. Quero um amor composto, plural, não singular. Quero para mim um amor de mãos dadas, que me acompanhe ou me carregue. Um que aceite a minha mão, não como prova e sim alento. Que me beije a testa como se beijasse a boca. Um amor não só de corpo, mas além d'alma. Um amor costurado sem emendas. Trabalhado sem trabalho. Um amor pleno, contínuo, sem necessidades de provas. Leve, vívido, não estudado em palcos ou visto em TV.
Um amor de pessoas, não atores. Um amor de amores.
Quero para mim do amor mais que o tudo, mais que o todo; de vir, não procurar. Que me invada as células e se deixe ficar. Suave, simples, sem medo de amar. Quero um amor não utópico, mas verdadeiro.
Singelo. Simples. Vivo. Corrente. Amplo. Entregue.
Como um rio que invade o mar.


Amplidão
Deixa eu te guardar a casa é sua
Faz em mim teu lar, me reconstrua
Queira me habitar onde eu me escondo
Faz deste lugar só seu no mundo
Eu quero ser onde você sossega a alma
Que chora e ri e encontra a calma pra sonhar sem dormir
Vem acender as luzes que iluminam o meu coração
Vem ter comigo sua parte da amplidão
De minha parte eu estou aqui





Um comentário:

  1. É o que busco e não aceito nada menos que isso. Então ouso correr o risco e avaliar a qualidade do que chega. Rose

    ResponderExcluir