terça-feira, 2 de junho de 2009

Menina

Menina de serenos olhos,
amiga daqueles que te rodeiam,
refletes nas tuas perfeitas feições todo o puro,
verdadeiro e sincero amor de tua alma-criança.
Festejo cada encontro nosso, recolho cada palavra de carinho,
imagino cada emoção sentida...
elevo o pensamento aos céus, depois da cada dia vivido,
respeitosamente pedindo a tua felicidade.
Impresso na foto está o teu rosto sorridente
colocado no porta-retrato da mente,
habituando-me eu, assim, à tua presença.
Busco compreender os vôos inquietos da tua fantasia,
riqueza permitida apenas ao mundo-criança.
Agrada-me saber que tens sonhos unicamente,
porque aqueces os corações neles penetrando com a força de teu carinho.
Menina, de Mardilê Friedrich Fabre
A cada dia que passa e a cada emoção que vivo - e como a vivo -
estou mais certa de ter alma de menina.
E ao receber esse poema, que não conhecia, reconheci-me como tal.
Ou sonho em tê-la.
Tocou-me a alma. A muitos deveria entristecer ou até assustar.
Para tantos outros, vergonhoso ser. Afinal, estamos no mundo para crescer!
Ah, mas a alma de menina, quanto encanto!
Alma feliz, correndo atrás de fantasias, aberta ao mundo, crédula de tudo. Alma suave, dos tempos de andar cantarolando na beira da praia, caracóis louros ao vento. De desenhar casinhas na areia e bem receber o amigo invisível.
Ah, alma de menina, quanta poesia em pele branca e farol azul.
Tua gargalhada, doce gargalhada, continua em mim.
Se a vida é uma passagem, breve como dizem, porque não vivê-la com os olhos alegres e puerís? Porque não aproveitar as pedras do caminho e brincar com elas?
Se o sorriso infantil abre mais caminhos que a seriedade adulta, quebra paradigmas, derrete icebergs, faz-nos mais felizes, porque não entregar-se a estes "desatinos"?
Viemos ao mundo cheios de encantos. Éramos pura suavidade. Fomos nos trancafiando na vida, dita de adulto, até sermos encarcerados pelo amanhã.
O hoje, vejo como um presente: abro e aproveito o que tem para me dar.
O hoje, vivo sim, feito criança.
Criança que a Vida ama , beija na testa e põe para dormir.

Nenhum comentário:

Postar um comentário