sexta-feira, 10 de julho de 2009

Bom dia, Vida!

Dia atípico. Aproveitei o primeiro dia de férias do filho e perdi a hora. Quebrei a rotina. É como se a Vida tivesse me amado a noite toda , tivesse saído quietinha e deixado ao lado da cama uma delícia qualquer. Um pequeno sabor, uma pequena dádiva,
um belo potinho de energia.
Acordei mais viva que nunca, apesar da chuvinha fria lá fora. O dia me espera , cheio de surpresas e acordos, de decisões e conflitos a serem administrados. Tomei um bom café - destes, de domingo - sem pressa. Olho para fora otimista de que tudo vai dar certo. Mesmo com a chuva.
Que capacidade é essa do Amor que me invade e me torna mais feliz? Que força tem sobre meu corpo e minh'alma? Penso nas coisas de forma simples, de escolhas simples, se quero hoje ser feliz ou não. Parece difícil, mas acho que não é. Vai depender do que sair de mim em forma de palavras e jeitos de olhar. Vai depender do jeito que receber os embrulhos do presente. Vai depender de como receber o outro em mim. Vai depender de mim.
Mas o dia está ai para ser vivido. Vou saborear os bombons deixados pela Vida, sentindo ainda seu beijo morno na minha testa, e levar um pouco - ou muito dela - para saborear durante o dia. Assim, a cada momentinho de frio interno ou de calor exagerado, lá ela estará para me dar prumo e respiro, balizar meu bom senso e
me manter feliz, como ela quer.
Bom dia, Vida!

Um comentário:

  1. É assim que me sinto, quando leio tua página, um doce início de dia. Então, lendo tua declaração de amor à Vida, chego a conclusão - tão fácil - de que és tu o meu presente, meu combustivel...

    ResponderExcluir