quinta-feira, 16 de julho de 2009

Inveja

Ontem convivi cara a cara com belas manisfestações da arte. A arte que escolhi para receber o festival de dança - e suas todas formas de manifestação, a arte das palavras bem ditas - sempre arrepiando-me e deixando-me atônita, e a arte da dança - esta, de rua, onde se diz tão difícil achá-la.
Nas artes convidadas por mim, mil formas de manifestação. Fez-se o convite, deu-se um tema
e o resultado veio das mais variadas caras e cores. Ali se viu que cada pessoa é uma só, sua própria visão do mundo, seu olhar sobre a vida e, desta vez, sempre entre delicadas e divertidas.
A arte convidada da noite mostrou que a dança de rua tem, sim, muitos encantos. Nos malabarismos do corpo, nos sons escolhidos - mistura de muitos - , no jogo de imagens, na sua interpretação da vida, muito de cada um e muito de nós. Nosso dia a dia foi retratado de forma inusitadamente dançante. E quem há de saber de onde vem tanta ginga, esta brasileira, que supera muitas que se dizem mais famosas. Nossa alegria e nossa irreverência estavam ali , mostrada em corpos que parecia de mola.
Mas eu, ah, eu fui seduzida mais uma vez pelas palavras. Do discurso improvisado , mas meticulosamente desenhado pela alma. Separei com delicadeza o homem político do homem poeta. Quem conhece os discursos do governador de minha terra sabe do que falo. Tirou do número sete - da 27a. edição de um festival que nos é caro, uma viagem deliciosamente articulada pelas sete maravilhas do mundo, os sete mandamentos, os sete pecados, os setes dias da semana. E nos levou, atônitos, a uma bela paisagem de tantos setes, do mundo nosso ao mundo da dança, viagem sem volta que se instalou em minh'alma para sempre. Invejei a clareza, a destreza, a memória de tantos nomes e tantas vidas. Invejei a força de palavras que deixam um mundo de vidas, das mais diversas, mudo e perplexo, não menos que encantado.
Ah, o poder do saber, e o poder do saber fazer, saber passar, saber envolver. Do saber encantar a uma platéia de gente de todo tipo. O poder de fazer de um momento que poderia ser igual a tantos, mais uma lição de vida. Ah, esse poder, invejo. Faço dele meu pecado, entre os sete do dia.

2 comentários:

  1. Esta tua paixão irremdediada pelas palavras bem ditas e bem escritas, eu ja conheço. E invejo. E este é meu pecado de todo dia!

    ResponderExcluir
  2. Realmente nosso representante maior do estado é um verdadeiro "senhor das palavras"...Você que me alertou na edição passada, remember?
    Meg

    ResponderExcluir