quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Cabernet

Se eu fosse um vinho, pela minha cor de pele e minha vivacidade frente à vida, seria um Chardonnay. Desses, simples ao primeiro olhar, mas complexo ao paladar. Quem sabe aroma de frutas maduras e notas de amêndoas, coisas que amo. Não um leve e fresco, mas um marcante, ou como diria um sommelier,
"denso e elegante".
Mas penso que minha alma é de um Cabernet Sauvignon. Tem um tom profundo, pedra rubi. Desce seco ao primeiro gole, mas vai se adornando e seguindo lento, suave, pelo menos para quem entende sua complexidade. Como diriam "de paladar aguçado com notas iniciais de cereja, framboesa e amoras, cacau,
toques de torrefação ".
Enfim, em minh'alma, tudo que gosto.
Minha alma tem um sabor marcante, persistente, vigoroso.
Minh'alma se guarda em caves, se conhece aos poucos, lentamente, sem pressa, ao sabor do tempo. Minh'alma é puro mistério, assim como os vinhos. Minh'alma sou eu, poesia engarrafada.
Bebida para poucos. Meu néctar.

Um comentário:

  1. Ai, ai, ai...como eu já imaginava.
    E sendo um amante do vinho, agora descubro de onde tanta paixão!Mas acho que tens um bouquet próprio, único, inegualável. Nem os melhores especialistas fariam igual!

    ResponderExcluir