sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Espelho


Hoje pego a estrada com meu filho. E isso me traz muitas lembranças. Do rostinho na janela a ver tudo, perguntar tudo, admirar tudo. E de perguntar se falta muito ainda no pátio da rodoviária...Para os pequenos, uma aventura. Como se o outro lado do mundo fosse aqui, do lado de fora da janela.
Agora , quase um homem, pega seu livro e entra em seu mundo. Volta e meia se encosta, feito saudade de colo. Ou puxa conversa, sempre com muita intensidade. Vejo nele o que sonhei que fosse: independente, livre das amarras, mas atento. Assim o é com os mais novos e com os mais velhos.
E assim espero que seja pela vida toda.
Os filhos, já disseram por ai, são do mundo. Não são nossos. Não são de ninguém. E cabe a mim, como mãe, soltá-lo. Por isso aproveito até as pequenas viagens para estar com ele.
Ouvir sua voz, sentir seu calor.
Ver como pensa da vida. Ver nele, eu mesma.

Nenhum comentário:

Postar um comentário