sábado, 13 de fevereiro de 2010

Fervendo


Assisto pela televisão e fico imaginando como deve ser bom o carnaval de rua de Recife e Olinda. Acompanhar a passagem do Galo da Madrugada, ver os malabarismos do frevo pelas ruas, a lavagem das ladeiras pelos garis, os trios elétricos que puxam foliões feito imã. Tudo é festa. Até em hospitais, onde médicos fazem um desfile pelos corredores, enquanto pequenos pacientes se divertem com suas fantasias..."Você não estava doente?" Perguntou o repórter à menina. "Ah, já passou", respondeu a pequena colombina...
Fico aqui pensando o que fiz - estou fazendo - com essa foliona que existia - existe - em mim. Eu, aqui, em plena festa nacional, fazendo pular apenas as teclas do computador...
Fora essa minha ciumeira doida, uma inveja boa dos que estão lá, a suar a camisa para viver a vida, o carnaval de Recife me parece ser uma coisa maior. Vi uma reportagem sobre toda a estratégia da cidade para manter viva a folia. Desde aulas de frevo em escolas públicas até a formação de percussionistas. Se pensarmos na pobreza que assola a região, o carnaval passa longe de ser só uma festa anual. Envolve, ainda, a produção das milhares de sombrinhas coloridas (para dançar, brincar e até de lembrança), a confecção de tantas e tantas roupas, a montagem das estruturas, além da megaestrutura dos trios.
É...já são mais de cem anos de frevo ( que vem de frever, uma versão popular de ferver, o que, por si só, explica a efervescência). E 60 desde que Dodô & Osmar montaram em sua fubica com o cepo elétrico e "fundaram"o primeiro trio. E tem ainda o Galo da Madrugada, arrastador de mais de 2 milhões de amantes da alegria. E , a partir dai, quanta história para contar...
Tem muita violência ainda? Tem. Sempre tem gente para atrapalhar. Mas poderiam ser bem mais, se tantas pessoas não estivessem envolvidas em nos envolver.

Certo está Caetano por nos fazer cantar:

Atrás do trio elétrico
Só não vai quem já morreu
Quem já botou pra rachar
Aprendeu, que é do outro lado
Do lado de lá do lado
Que é lá do lado de lá
O sol é seu
O som é meu
Quero morrer
Quero morrer já
O som é seu
O sol é meu
Quero viver
Quero viver lá
Nem quero saber se o diabo
Nasceu, foi na bahi ...
Foi na bahia
O trio elétrico
O sol rompeu
No meio-dia
No meio-dia

Nenhum comentário:

Postar um comentário