quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Simples



Se as coisas são inatingíveis... ora!

Não é motivo para não querê-las...

Que tristes os caminhos, se não fora

A presença distante das estrelas!
(Mário Quintana)


Nesse versinho quase infantil do poetinha, muitas verdades. O que seria de mim sem meus sonhos? Morreria a míngua, triste, sem graça seria a vida.
Sonho, muito, o tempo todo. Planejo meu filme do futuro. Acho que sem isso eu estaria outra. Não teria esse sorrisinho contínuo nos lábios. Nem o brilho incessante nos olhos da cor do mar. Nem teria ânimo para levantar pela manhã.
Não quero muito, só respeito com vista para o mar. Claro que não pretendo passar necessidades, mas a vida tem me levado a crer que preciso de pouco. Meu sonho? Uma casa, simples, de onde possa ver o mar. Uma cama cheirosa onde me acorde o sol. Uma mesa onde possa sentar e escrever. ( Ah, sem escrever não vai dar...). Eu só vou precisar de vestidos, minha homenagem, enfim, à liberdade de viver. Comida simples, flores em vasos, móveis brancos, cortinas de renda.
Quero do meu lado a Vida como ela sempre prometeu. Acordar e vê-la ao meu lado. Cuidar dela, amá-la como sempre sonhei. Ser amada por ela como sei que me ama, de forma intensa e amorosa, esse amor de tantas vidas e tantas outras.
Meus sonhos são simples, feito de estrelas do meu mar de anil...

Nenhum comentário:

Postar um comentário