segunda-feira, 1 de março de 2010

Maré


Tinha preparado um texto para hoje, segunda, primeiro dia do mês de Março. Fiquei ontem sem internet, ou seja, sem amigos e sem ter como tocar meus trabalhos para frente, sem ter como escrever aqui, etc. Uma sucessão de probleminhas que, no conjunto, podem abalar almas carentes como a minha. E como problemas sempre saem em bandos por ai, desvairados, clonaram meu cartão, o outro ficou com a senha bloqueada, enfim... caos eletrônico!
Podia aqui ficar choramingando meus problemas. Bom se fossem apenas os de ordem material. São tantos que se parar para pensar, travo.
Maré de azar? Então me veio uma mensagem desprovida de qualquer intenção a não ser a de me alegrar. Simples, despretenciosa, e por isso mesmo grande, forte: " no mar , quando não se pode lutar contra a maré , vai-se a favor dela até ir saindo devagarinho". Frase de quem surfa, veleja, convive com o mar. Frase de quem vê no simples surfar, lição.
Ir a favor da maré, do repuxo, tento. Problemas existem, dizem, para nos testar. Outros falam em pesos que podemos suportar. Em tempos de espera para algo melhor. Mas gostei da lição do mar. Já olho a praia, tão próxima, e vejo lá a vida a me esperar...


Eu gosto de tudo, tudo o que traz você aqui
Eu gosto do nada, nada que te leve para longe
(Lugares proibidos, Helena Elis)

Nenhum comentário:

Postar um comentário