sexta-feira, 5 de março de 2010

Única

Porque se chamava homem
Também se chamavam sonhos
E sonhos não envelhecem
Clube da Esquina II, de Milton Nascimento,Lô Borges, M.Borges
Isso bem sei, vivo deles, dos sonhos. De ter uma vida inteira, completa, como sonhei e sonho sempre. Com alguém ao meu lado que viva comigo, que me vivencie, que me acompanhe, que esteja ao meu lado - não esperando que eu corra trás. Nem que me empurre. Nem que me reprima. Que me deixe livre como sou, mesmo que me cuidando de longe. Que eu veja em seu simples "bom dia" que deseja que eu tenha, mesmo um dia bom. Que eu sinta no seu retorno que sentiu minha falta. Que faço a diferença. Que sou. Que existo. Quero ver no simples o seu bem querer. Na forma como me olha quando estou distraída, na forma como me encara quando estou atenta. No como olha meu corpo como se uma deusa. Como me toca como se amada.
Como se única.
Como se dele.
É...sonhos não envelhecem. Nem meu jeito romântico de ser. Esse meu jeito menina-mulher que só ele entenderá...

Nenhum comentário:

Postar um comentário