quarta-feira, 7 de abril de 2010

Amizade


Minha mãe - como deve ser toda mãe - fala umas coisas que tocam profundamente (além de sua língua sempre certeira de uma típica nascida sob o signo de escorpião...). Ouvi um diálogo dela com meu filho. Não me lembro do contexto, mas chamou-me a atenção quando ela disse: "eu não tenho mais filhos. Tenho amigos". Bem pode ela dizer isso, em seus mais de 75 anos, sendo a sua caçula, eu, 30 anos mais nova.
Amigos. Isso nos tornamos dos filhos. Ou no meu caso, do filho. Quem não o faz perde muita coisa pelo caminho. Sente-se dono, um proprietário nem sempre apreciado. E deixam seus filhos com jeito de inquilinos nem sempre desejáveis. Paro e penso que sou amiga de meu filho até antes de ser sua mãe. Até muito mais do que sou mãe. Quem vê - e aceita - nossos diálogos e nossas brincadeiras , sabe bem do que falo. Só não deixei para sê-lo no fim, e sim, desde o começo.
A linguagem da amizade soa mais leve, sem cobranças. Amigo é aquele que nos fala coisas que só ele pode dizer. Usa de uma sinceridade que só a ele permitimos. Uma sinceridade que não vem embalada de autoridade. Que deixa de lado as obrigações, as imposições. Uma sinceridade que vem do coração e por isso é bem acolhida. Pode até doer, mas dói soprando.
Tive essa relação verdadeira com poucas pessoas em minha vida. E sempre mulheres. Pessoas que me escutaram e escutam sem me reprimir. Que derão e dão sugestões sem ares de ter que. Amigos tem a mente aberta, pelo menos para nós. Têm ouvido bom que parece ser ligado direto ao coração. Como uma consciência, lembrando-nos, sempre, que sabemos o que é certo, seguindo-o ou não. E basta um olhar, uma palavra , um lembrete e ali está a resposta em nossa frente. Ali o caminho melhor para nós. Seguindo ou não. Aceitando ou não. É. Dificilmente erra. Como se fosse nosso outro eu. Nós no espelho. Como se fossemos nós mesmos conversando, nós e nós.
É, amigos são raros. E podem durar uma vida toda ou apenas um bom momento. Não são perfeitos - já que a perfeição não existe, muito menos em pessoas. E se fossem, não nos perdoariam. Nem saberiam o que nos dizer. Não pegariam da nossa mão nas horas de crise. Nem nos fariam rir nos momentos de tristeza. Porque amigo é aquele que nos faz melhor. Melhor ainda do que sonhamos ser.

Nenhum comentário:

Postar um comentário