segunda-feira, 10 de maio de 2010

Positivo


Hoje foi um dia daqueles nada rotineiros - até virar ( e ai será bem mais confortável). Carona até o aeroporto, vôo logo cedo, táxi, ônibus, táxi, casa. Fora uma brevíssima cochilada no balançar da estrada, estou inteira. E viva. Nisso vinha pensando no caminho. Estou feliz, quando muitos interpelam se não vou cansar dessa maratona de, quinzenalmente , viajar tantas horas para estudar - e em plenos finais de semana. Aposto em mim, e não no cansaço.
Fiz um raciocínio rápido, enquanto chacoalhava na estrada: se, como dizem, não existe felicidade, e sim momentos felizes, assumo-me feliz. Se quebrar a monotonia dos dias e se lançar no novo me torna nova - ou seja, me renova - ponto para mim. Toda renovação, ou toda "re - nova-ação", ou seja, todo refazer de algo novo, renova-me. E me faz feliz. Se deixar de lado as imposições do dia, as chatices do nada e correr atrás do que quero e acredito ser o melhor para mim - bingo! - sou outra. Ou a mesma, melhorada. Se , conforme Einstein, meu cérebro cresce a cada descoberta e , melhor ainda, não volta ao formato normal, vou amar: tomara saia do formato kitnet para, quem sabe, um triplex de frente para o mar.
Enfrentar as oposições, a não possibilidade, os medos me fez - e faz - melhor. Dar o primeiro passo sempre é difícil - sabemos disso desde a prima infância. ( quem não lembra da louca sensação de ser dono do mundo depois de dominar o caminhar? Ou o dirigir?) Medos enfrentados, seja de nova vida ou de montanha-russa, tem sempre um sabor especial. A adrenalina que nos domina continua povoando por horas, a boa sensação do enfrentar.
Volto a pensar de forma quase matemática: se estou bem comigo mesma, tudo fica mais fácil. Se tudo fica mais fácil, pouco me abala. Se pouco me abala, quer dizer que meu saldo ao final do dia será positivo. Se meu saldo for positivo, provo que estou feliz. Ou sou. Fácil assim.
Sendo assim, tudo provado, refaço a frase de Guimarães Rosa (*): felicidade é uma questão de enfrentamentos e escolhas. Escolho me ser. Corro para meu porquinho rosa
e deposito lá mais esse crédito.
(*)"Infelicidade é uma questão de prefixo".

Nenhum comentário:

Postar um comentário