segunda-feira, 31 de maio de 2010

Segunda


Segunda-feira, dia de revisão. Faço desse dia uma agenda, jogando fora o que não quero, adicionando o que quero, tecendo prioridades, deletando coisas, pessoas e pensamentos inválidos. Refaço meus passos da semana anterior e traço metas, muitas delas não cumpridas, mas pelo menos pensadas.
Acabo de chegar de viagem, rápidas nove horas para quem desmaiou no ônibus. Cheguei a mil, corpo e mente. Fiz café do filho antes da escola, agradei cachorro, limpei minha mala e minha caixa de e-mails (sempre abarrotada no inicio da semana). Sinto que está difícil administrar tudo. Não por mim que sempre tenho energia de sobra quando quero algo. Mas para os outros que não aceitam minha condição de viver, por cegueira, simples posse ou teimosia, sabe lá.
Vejo que a vida vem me cobrando respostas e atitudes que eu, como boa menina, estou protelando, achando no caminho a melhor condição. Talvez para não magoar os que amo (e será que não estou?). Talvez para não incomodar os outros, condição assumida desde sempre. Talvez por puro comodismo, talvez assuma. Coisas que fazem parte de mim, como me deixar de lado para que o outro esteja bem. Louca ideia se o outro quer tudo, até o que não tenho para dar. Louca ideia, sabendo que se não estou feliz, não o farei.
É segunda, mais uma de tantas. Ou será o prenúncio de um forte temporal? Eles assustam, bem sei. Mas limpam tudo, de forma rápida, talvez arrasando quarteirões. E não há como se ver os estragos, a não ser depois de o enfrentar. E belo dia virá, como todos depois que a grande chuva cai.

Nenhum comentário:

Postar um comentário