terça-feira, 22 de junho de 2010

Cachecol


Continua frio. Mal começou o inverno e estou eu aqui a lamentar. Aqueço-me com chá enquanto leio tudo o que me vem sobre uma de minhas novas paixões, a cibercultura. Vejo-me como queria, obstinada em saber. Vejo-me como sonhava, uma leitora atenta e crítica, devoradora só do que me convém. Leio no meio de tantas ideias uma frase que veio ao mundo ainda em tempos de a.C: "a memória é como uma habitação onde depositaríamos informações em casa peça", de um "tal" Simone sei-lá-das-quantas que nem tem no Google.
Acho o termo "peça" muito grande, fujo dele. Falo em gavetas, já fiz até um belo texto sobre isso. Tenho, muitas, mas não andam abarrotadas, não. Faço faxinas de tempos em tempos, retirando uma ou outra peça que não me cabe mais, feito meu guarda-roupas. Ou porque perderam a importância ou porque não me alegram. Penso que o que tinha que aprender e apreender com elas, já fiz. Se não fiz é porque nem tinham que estar na gaveta...enfim...
Tenho centrado meu pensamento no futuro ( e num presente paralelo, que vai aos poucos ficando perpendicular a ele). Acho até que vou deixar uma gaveta livre, bem grande, perfumada, para que ele se instale. Parece não só prudente, mas mais interessante que muita coisa de meu presente que, apesar do nome, não tem vindo embalado como tal. Meu futuro, que antes me assustava e se manifestava em meu pé (ah, isso é outra história...), já não me dá medo. Deve ser porque o estou pintando com cores mais vivas, longe das cinzentas como me fizeram enxergá-lo. Deve ser porque, aos poucos e por imposição de um presente por vezes mal embalado em velho e amassado papel, estou sendo mais otimista, mais confiante do que sou, do que posso, do que quero para mim. Deve ser porque, sendo eu mesma, posso me reconstruir a cada dia, frio ou quente. Posso ser minha manta ou meu ventilador. Posso.
Poder. Esse é o verbo que me empurra para meu futuro. Tomara se junte ao verbo ser. Um poder ser que me deixa bem entusiasmada. Faz até o frio do dia ficar morno...Meu cachecol.

Nenhum comentário:

Postar um comentário