segunda-feira, 7 de junho de 2010

Desligue-me!


Mulher melancia, mulher jaca, mulher filé. Implantes de silicone nos seios , coxas e bundas. Plásticas que deram e que não deram certo. Infelizmente foi só o que vi ontem na televisão. Triste fim de quem só tem TV aberta. Ou burra. Um "record" de asneiras.
As redes reclama da baixa assiduidade de seus programas. Tentam manter uns a ferro e fogo, metem quadros diferentes, uns piores que outros, enquanto outros sucumbem depois de um pequeno tempo no ar. No balanço de acertos e erros, esses ganham bonito. Os que sobrevivem vivem a custas de falsas risadas. Só o humor mantém, devem pensar.
Ou, antes rir do que chorar.
Sentada no sofá a convite do filho, senti-me enojada. Afrontada, até. Até os programas que eu achava que tinham alguma coisa a ver sucumbiram de vez à mesmice. Chego a conclusão que domingo é melhor desligar a TV. Ou seriam todos os dias? Se nem os telejornais dão mais para levar a sério, tamanho descrédito? Que tal sentar para ouvir notícias e ouvir piadinhas entre os apresentadores? Socorro, alguém me dê um canal pago!
Chamam o brasileiro de desinformado, de desinteressado. Que nem adianta tentar um canal público. De quem será a culpa? Pego meu livro, mais um dos tantos que preciso e quero ler, e sinto-me reconfortada. Passar as mãos pelas páginas, os olhos pelas ideias. Penso em que levou o autor para tomar certos caminhos. Ou como teve tão brilhante pensamento. Viajo na estória e na história - ainda passeando na poética gramática antiga onde existiam as duas palavras ( o novo "Aurélio" diz que não, que só a história sobreviveu nessa história). Faço a minha, própria. Três viagens numa só: o que diz o personagem, o que passou pela mente do autor e o caminho que me leva, paralelo se concordante, perpendicular se discordo. Melhor só se pudesse entrar e até trocar de lugar. Até porque os livros sempre tem um final feliz. Deve fazer parte de uma conduta ética, um conchavo. Ou uma forma de nos proteger de todo mal.
Como das mulheres comestíveis de um certo canal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário