quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Ainda


Ainda discorrendo sobre casamentos - ou me tratando, já que escrevo para não pagar terapia - admito que, pelo menos nesse campo, sou romântica. Gosto da ideia de ser pedida em "casamento" , de colocar uma aliança em meu dedo que corresponda a ele. Não como anel, nó, e sim laço, como disse sabiamente o poeta Quintana, que via laços como abraços, acolhimento, não como nós , que mais servem para sufocar. E principalmente de saber que alguém me quer ao seu lado, não como posse, mas como companheira. Ao lado, bem escrito, não atrás nem na frente. Nem empurrando, nem puxando, passo igual. Isso lembra outra palavra que gosto: igualdade. E outro gesto que amo: mãos dadas.
O problema, sinto, vem da rotina. Não exatamente dela, mas da nossa falta de atenção no dia-a-dia. Do acostumar-se. Até a mais pura arte se torna banal se deixamos nosso olhar interno acostumar-se com ela. Até o mais tenro sabor perde a graça, mesmo o do beijo. Na automatização das coisas, desinteresse. No ver o outro não como destaque e importância, não como peça indispensável, e sim como pano de fundo. Do se deixar levar. Do esquecer o quanto as palavras nos fazem bem - ou mal (lembram-me facas, que podem nos ajudar ou ferir). Relacionar-se , bem diz o nome, é abrir o livro da vida e ler a mesma coisa, escrever a quatro mãos, sempre igual , mas sempre diferente. E isso pede o olhar do amor. O olhar atento de criança. O meu olhar, como sou, não o vedado pelo tempo, pelo simples passar das horas. O sentir o coração palpitar diferente quando o outro chega. Melhor: sentir o coração palpitar na eminência do encontro. E de ver no outro o que ele é. Como ele é. Como ele está só pelo olhar ou pela voz. E compartilhar com ele o que temos de melhor. Amar é somar, nunca dividir, a não ser a fatia do bolo, o último pedaço de doce. Ou subtrair, a não ser tristezas. Piegas? O amor é. Piegas, brega, cafona, o que for. O que precisar ser, o que quiser ser. Porque pede que sejamos simples. Que sejamos abertos. Que sejamos nós. Honestos. Puros.
Um exemplo? Beijo meu filho todo dia com um sentimento maior. Olho-o como se fosse a primeira vez, como se fosse uma. Como se fosse a última. E é disso que estou falando. E isso não pede treinamento e sim, emoção. Atenção. E desprendimento. Sim, porque para deixar que o outro tenha essa importância em mim, deixo-me um pouco de lado. Abro espaço. Arredo egos. Faço dele algo maior. Ou pelo menos de mesmo peso e medida que eu - o que, por vezes, é muito difícil. Desprender-se de nós é difícil. Pode ser mais fácil em termos materiais, deixar para trás coisas que se gosta, mas não quando se conjuga espontâneamente o verbo amar, o verbo querer.
Gosto das descrições do que se espera do outro. São palavras bonitas, melhor ainda se bem vividas: companheirismo - ser companheiro de alguém é estar do lado dele, torcendo, mesmo que só em pensamento, "na alegria e na tristeza"; cumplicidade, que vem de cúmplice, penso, o que pede uma integração para lá de perfeita, um sonhar junto. Pede aceitação, outra palavra forte, do outro como ele é, mas não de forma dura, não imposta, nem fantasiada e fraca, e sim, respeitada. E alegria, o que me embala todo dia, meu combustível de sobrevivência. Como se um belo sorriso operasse milagres. Quem sabe um terno olhar.
Piegas? O amor é. Piegas, brega, o que for. Porque pede que sejamos simples. Que sejamos abertos. Que sejamos verdadeiros. Que sejamos transparentes. Que nos entreguemos por completo, confiantes, como quem fecha os olhos e vai. E mais tanta coisa que parece fácil, mas não é. Ler sobre ele, escrever sobre ele pode ser fácil. Pode ser eterno.
E vou ao extremo de meu romantismo, com gotas de ingenuidade: "até que a morte nos separe"...

3 comentários:

  1. entao..
    hoje mesmo eu minha mae e meu irmao estavamos discutindo isso... os dois acham crega esse amor piegas, mas o que seria do amarelo se todos amassem o azul??
    eu acho lindo esse amor de novela das 8, esse amor que as pernas ficam bambas, e teu coração dispara...
    tenho pouca bagagem sobre o assunto, mas já senti muitas veses, e quando já não sentimos mais, é hora de pernsarmos em sentir de novo...
    mudando a rotina, ou ate mesmo o parceiro... kkk
    eu optei pela segunda opção, e axo que não existe apenas 1 grande amor das nossas vidas, amores vão e vem... e eles são tão intensos que geram sentimentos, os quais só sentimos naquele momento....
    podemos tentar de novo, estar no mesmo local, com a mesma pessoa, mas aquele sentimento foi único!!
    oproveitemos então, cada momento da vida!!
    Lindo o texto!!
    saudades.

    ResponderExcluir