quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Só hoje




Hoje postei uma frase simples, mas que dizia tudo: "falta muito para a Primavera? Estou cansada do meu Inverno...".
Ando desanimada, preguiçosa. Na verdade, sem vontade de assumir coisas que não quero. Simples admitir, difícil resolver. Ontem , enquanto caminhava, minha outra dose de terapia além da escrita, lembrei de uma lição da aula de resistência dos materiais, ainda nos dias livres da faculdade. Sobre o efeito das marés em pilares de piers. Louca? Não, não estou. A natureza está ai para nos dar lições, as mais variadas. E do pensamento que foi longe, surgiu a frase do dia, esse dia que acordou enferrujado , indefinido, nem bem sol nem bem chuva, como eu: "minha fraqueza vem da minha inconstância".
Aprendi com meu professor que a fraqueza dos pilares mergulhados na água acontecia bem na linha da maré, naquela linha tênue onde a água sobe e desce, anima e desanima, deixando o pilar meio a descampado, ao deus dará (ou seria melhor não dará?). As partes totalmente submersas e as totalmente acima da linha d'agua sobreviveriam melhor que esta , frágil, que fica "no balanço das ondas". O contrário do que dizem dos homens, aos quais se dá valor pelos percalços que passam na vida. Como se a constância da vida os deixasse fracos. Ou, pelo menos, despreparados. No homem, dizem, o vai de vem da maré fortalece. Lemos isso, do levante diante de problemas, em filmes e livros. Em palestrantes empolgados em contar seus cases. Os "neofênix" dos dias. Os novos heróis urbanos. Lendas?
Longe de querer ser heroína de mim, só queria que minha mente fosse mais constante, mais firme. Mais mandona. E é, mas só nos assuntos que me interessam. Como se as "outras" coisas pudessem ser deixadas na gaveta até que me interessasse por elas. Como se o tempo parasse à espera de meu bel prazer, sentado na sala de espera de minha boa vontade. Ou melhor, que saísse sozinho por ai a se resolver por conta e risco, deixando meu ser liberto para um criativo pensar. Minha inconstância, deixo claro, não é de pensamentos: estes que me povoam a mente 24/7. E sim, de ações. Um dia faço pouco. Outro, corro feito louca para dar conta. De prêmio, a sensação do alívio, por vezes de força. Do vencer as lutas contra mim mesma.
As Joyces em conflito, a procura do equilíbrio.
Mas hoje aceito meu dia. Estou pilar de pier. Minha fraqueza está mesmo na linha do perigo. No vai e vem das coisas, e principalmente de mim. É nesse momento que me sinto frágil. Nesse enfrentamento de mim mesma que me paro...e presto atenção para não me afogar. Não me expor demais à tempestade da vez. Ou ao perfeccionismo imposto por mim mesma. A guerreira abaixa a arma, mas não a guarda.
Mas, como toda mulher, dou-me ao luxo vazio de dizer que é o já tão debatido - e aceito - efeito da TPM . Culpo o dia. Ou a falta de minha vitamina C. É mais divertido.

2 comentários: