domingo, 5 de setembro de 2010

Linguaruda


Visita à família tem lá suas lições. E uma das enormes que já me é secular (não que eu seja tão velha assim...): bom humor é bom, e eu gosto.
Meu pai sempre põe defeito em tudo. Está sempre de pá virada, pensei. Deve ser uma doença da qual já ouvi falar certa vez. Espero, mesmo, que seja doença; seria uma ótima - e talvez única - desculpa não esfarrapada. Isso faz parte - ou fez - de minha vida. Hoje, como não me atinge tanto, até levo na esportiva. Acho graça, tamanaho desparate. Talvez isso até tenha me ajudado a ser assim tão otimista. Ou risonha. Não acho que valha a pena seguir em frente sem senso de humor. Recebemos o que damos, feito espelho. Cara fechada, fecha a outra. Já um sorriso abre outro. Gosto de me fazer presente, cumprimentar as pessoas, ser receptiva. Isso já faz com que a outra, se mal humorada, derreta o gelo. Se não funcionar, melhor manter a distância, antes que me congele também.
Isso quando não rio sozinha. Hoje, por exemplo, pensava em um livro sobre ditados populares. De onde vêm, como foram modificados pelas fofocas alheias. Como "tirar o cavalo da chuva". Ou "pensando na morte da bezerra". E a tal "sangria desatada", alguém sabe o que é? Ou brincar com meus erros mais comuns, nos tantos trocadinhos que faço, inocentemente, com a língua mãe. Quem me corrige, sabe: até isso levo "de boa". Ou, se preferirem, "ponho a carapuça". Talvez seja para disfarçar a vergonha, ou quem sabe uma forma mais rápida de lembrar. Mas não valia só explicar: iria brincar com os ditos e os não ditos, tentar ver outros significados, histórias que se encaixassem, tentando adivinhar. Porque bom humor faz parte de mim, seja qual for meu momento, bom ou mal. É ela que me sustenta, mantém minha pele boa e meu olhar atento. "Juro de pés juntos"!
Curiosa, procuro e acho. O ditado usado para meu pai, o da "pá virada", não cabe. É usado para pessoas preguiçosas, que está longe de ser o caso dele. Melhor "colocar panos quentes" antes de "pagar o pato"... ou de me mandarem para os "quintos dos infernos"!

Nenhum comentário:

Postar um comentário