terça-feira, 26 de outubro de 2010

Companheiro


Recebi uma mensagem sobre cães  com verdades que já sabemos, mas deixamos de lado porque, com certeza, mexem conosco. A gente é assim mesmo. Eu, pelo menos, assumo. O que nos parece óbvio, não damos importância. Ou pelo menos, não a devida. Como se provassem  a nossa incompetência para coisas simples, fáceis, alcançáveis, mas das quais  - e talvez pro isso mesmo- fugimos. Negamos.
Dizia mais ou menos isso:
Se um cachorro fosse professor, você aprenderia coisas
importantes...
Quando alguém que você ama chega em casa, corra ao seu encontro
 Lembro que fazia isso quando criança. E, como mãe, recebia meu filho na porta de casa, já de banho tomado e pijaminha xadrez, braços abertos pedindo um belo abraço. Quer coisa melhor?
Nunca perca uma oportunidade de ir passear.
Ah, bem sei a diferença disso. Seja em prol da saúde ou apenas para "desanuviar". Caminhe. Desfrute desse mundo que é seu. Nem que seja até a padaria mais próxima. Que tal um sorvete?
Permita-se experimentar o ar fresco do vento no seu rosto.
Bom essa diz tudo. Lembre-se que um dia foi criança, e que janela aberta era sinônimo de  liberdade...
e de riso! Vento traz suavidade e leva mal estar.
Tire uma sonequinha no meio do dia e espreguice antes de levantar.
Essa eu sigo, parte por recomendação médica, parte porque me amo. Sonequinha dá uma sensação de sábado, prepara a gente para o segundo tempo do dia. E depois espreguiçar, várias vezes ao dia, tira  a preguiça - como o próprio nome diz - e acorda o corpo.
Corra, pule e brinque todos os dias.
Difícil seguir com nossos corpos travados pelo tempo. Quem sabe substituir por umas belas gargalhadas? Ou uma brincadeira com o filho ou com o cão? Não há de se perder nada...
Não morda quando um simples rosnado resolve a situação.
Achei ótima a sugestão. Fazer tempestade em copo d'água nem sempre é uma boa solução. Por vezes a coisa toda uma proporção inimaginável. Vira tsunami...
Em dias quentes, pare e role na grama, beba bastante líquidos,
Rolar na grama é demais, mas pisar na grama descarrega. Deixa na terra os maus fluídos. E beber líquidos, coisa de que sou fã, bem sei a  diferença. Com se limpasse o corpo. E com ele, a mente.
e deite debaixo da sombra de uma árvore.
Saudade da infância. da árvore lotada de laranja. Do balanço ali tão esperado. Quem já deitou debaixo de uma árvore sabe do que falo. Momento inigualável.
Quando você estiver feliz, dance e balance todo o seu corpo.
É...bem sei... chamo de dentro de mim minha menina de plantão. Ela sabe como me deixar feliz...
Não importa quantas vezes o outro te magoa, não se sinta culpado...
Com certeza a lição mais difícil de se aprender...talvez por nos acharmos perfeitos e, por si só, indignos de todo mal.
e volte e faça as pazes novamente.
Parte complicada, que tenho aprendido com meu filho. Um abraço já diz quase tudo.
Aproveite o prazer de uma longa caminhada.
Se alimente com gosto e entusiasmo.
 E coma só o suficiente.
Essas parecem saídas de um livro de saúde. Ou das dicas de algum centenário. Mas porque é tão complicado de se seguir?
Seja leal.
E aqui eu completo: com os outros e com você mesmo - o que parece ser a parte mais importante. Ser leal comigo implica em me conhecer bem - e aceitar como sou - , saber o que realmente quero, e saber que tenho como fazê-lo.  Se fossemos leais a  nós mesmos, seríamos como os cães. Deve vir dai a verdade deles. E nós ainda os chamamos de irracionais...
Mas ser cão é muito mais do que isso. É se contentar com um carinho qualquer. É entender como o outro está - e respeitar isso. É tentar mais de uma vez deixar o outro bem, não desistir  pela cara feia. Nem que seja apenas sentando ao seu lado, olhando bem nos olhos, na tentativa de conseguir um sorriso. É fazer o outro entender que faz a diferença. Que nos importamos. Que a felicidade dele é o que nos faz feliz. Talvez esteja ai a melhor lição do cão: ser companheiro. Para o que der  e vier.
Sempre.





Nenhum comentário:

Postar um comentário