quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Desfrute



Hoje o dia rendeu. Teve 48 horas, penso. Fiz de tudo um pouco, entre trabalhar, resolver problemas e curtir a vida. Olho para trás e vejo o quanto fiz, o quanto fui. Vejo quem sou, o que sou, quem quero ser. Como gosto de ser. Ah, e como é bom saber que tenho, ainda, uma noite toda pela frente. Quem sabe um carinho no filho, um bom banho morno, um livro. Talvez o nada, talvez o tudo.
Quem sabe matar a saudade do que me faz tão feliz.
Hoje o dia rendeu e me sinto outra. Rejuvenesço, como se o bem passar das horas me passasse as rugas. Como se o dia tivesse me dado a mão para passear. E agora  a noite, carinhosa, vem chamando para descansar. Sinto o gostinho - simples -  da missão bem cumprida. Do não deixar para amanhã, que pesa tanto na alma. Nem arrastar nas costas as coisas mal resolvidas. As pendências, para mim,  pesam feito chumbo, como se me segurassem no passado. Como se me colassem no cimento. Como se me grudassem nelas, páginas travadas.
Para comemorar, vou chupar laranja. Assim, de boca, como fazem as crianças. Ou comprar um picolé e deliciar-me com seu gosto doce derretendo na boca, feitos as horas. Quem sabe eu danço uma música. Quem sabe remexo armários. Ou escuto boa música, deitada, assim, de pernas para o ar. Ou me dou ao desfrute de um não fazer nada. Apenas esperar o tempo passar. Esperar  a noite me chamar para um bom sono merecido.  Meu presente do dia. E um novo dia a me esperar.

Sigo, quintaneando:
"Se me fosse dado um dia, outra oportunidade,
eu nem olhava o relógio.

Seguiria sempre em frente e iria jogando pelo caminho a casca dourada e inútil das horas...
Seguraria o amor que está a minha frente e diria que eu o amo... "
(O Tempo, Mário Qintana)


Um comentário:

  1. Saudades de tuas palavras.. Fiquei meio sem tempo.. MAs aqui outra vez..

    Forte abraço!

    ResponderExcluir