quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Regressiva



Quarta, 8 de dezembro, exatas 23:29h, marca em meu inseparável relógio laranja. Mais um dia de correria, como se cada dia fosse o último. Porque somos - sou - assim?
Não, não posso reclamar. Consegui muito do meu dia. Caminhei, e  na nada breve caminhada, achei uma amiga que vai me ajudar em meu TCC.  Levei uma torradinha básica por causa do sol. Bom, penso eu, perco essa cara desbotada. Dei atenção ao filho de férias - e prestes a fazer a viagem dos sonhos. levei-o ao médico. Ao lanche. Segurei-me diante da vitrine de doces. Sentei com ele a ver televisão, brincar com o cachorro, nosso "namoro" diário. E estou, mais uma vez aqui, trabalhando em prol das minhas coisas, as que acredito, e já "pré-ocupada" com o dia de amanhã. Literalmente, não daqueles devaneios futuristicos incertos. O dia de amanhã promete. Sei que tudo vai dar certo, mas não confio na memória e faço uma de minhas quase diárias listas. Delas, meu gosto e sossego na hora de riscar cada ítem, cada um como um prêmio, um alívio.
Ando cansada, físico, mental e espiritualmente falando. Difícil passar por um inferno astral nessa época que já é um inferno. Difícil fazer aniversário em mês tumultuado. Devia ser proibido. Uma porque se ganha só um presente na infância. Ou um menor, bem menor, pelo aniversário, na promessa, lenta, de se ganhar mais um, quem sabe melhor, no Natal. E festinha, nem pensar. As aulas da escola já acabaram, como as chances de receber muitos abraços. Deve ter sido assim, nem me lembro. Bom,  pior que o meu dia, só o da Aline, menina querida, que nasceu adiantada e caiu do céu bem no dia 24. E lá fui eu e uma amiga  terminar o quarto da apressadinha que chegou adiantada. Sempre brinco que deveria ter se chamado Natália, mas ai  consagrava de vez a "sacanagem" do dia.
Mas, relembro, amanhã é quinta-feira. Sim, o dia vai ser corrido. Mas logo chega a noite, eu embarco em meu ônibus de sempre, no horário de sempre e chego ao meu Porto. Uma rotina que, ao contrário de muitas, não me oprime. Muito pelo contrário: liberta. Deixa-me leve. Então, respiro fundo e  me digo por dentro: coragem! Nessa altura do dia, nem pensar em falar isso olhando o espelho...
Amanhã é quinta, depois vem sexta, meu dia. Dia estranho. Aí é outra coisa. Aí quem sabe me sobra tempo para me viver.
Dizem que o ano da gente começa no aniversário...

Nenhum comentário:

Postar um comentário