quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Caroço





Fiz Yoga muitos anos, mais de dez - e sempre com a mesma mestra, doçura em pessoa. Aprendi muito, muito mais do que as reconfortantes aulas, as posições nem sempre fáceis. Aprendi a tentar  - e tentar e tentar. Cair e levantar. A superar a mim mesma e principalmente meu cérebro que teimava em me dizer não dá, não consigo. Aprendi a trocar o não pelo sim. A vencer medos. A me aceitar assim do jeito que sou - mas melhorar o que dá para melhorar. Ultrapassar barreiras criadas a anos. E saber que o que sou  é resultado do que faço comigo, ação e reação. E me saber competente. E viva.

Aprendi muitas coisas, muitas que ainda levo em mim. A alimentação que, se atenta, doso. Que  o centro de todas as vontades - as reais, da força e não dos desejos - está no centro do corpo, o tal plexo solar.Um dínamo. Bem ali, na reta do estômago, pouco acima do umbigo. Nossa região abdominal, aquela, difícil de manter em dia, a da barriguinha tanquinho, tão sonhada. Traz força, para o corpo e para vida. Traz a firmeza da permanência. Traz fôlego. Não é à toa que desregula quando não estamos bem. E é tão complicado de manter em dia. Ou ninguém teve já enjôo de tão nervoso? Ou dor ? Ou comer por ansiedade?

Aprendi também a ser flexível. O corpo sendo, a cabeça vem. Flexivel em relação ao movimento da aula e da vida. Não um curvar-se medroso, e sim enfrentar as coisas aos poucos, como quem se alonga pela primeira vez. Devagar, soltando e educando o corpo, passo a passo. Ter uma meta como ponto de fuga. Ter atitude, formosura. E festejar cada milímetro a mais alcançado. Treino minha flexibilidade todo dia enquanto deixo a água do banho me fazer companhia, lavar a minha'lma. Ou  a qualquer  hora quando me sinto mais travada. Fico outra, feito nova. Agarrar os pés é uma forma de eu me dizer todo dia que sou capaz.

E a postura, claro. No espelho e no dia. A coluna ereta, a cabeça correta, a perna meio relaxada. A barriga para dentro para não forçar a lombar. Ombros firmes, mas sem forçar. Ohar para frente, sem empinar - nem humilde demais, nem sem bem enxergar. Braços em movimento, balanço certo, pés pisando por inteiro no chão. O corpo pé um só , feito de muitas peças. Cada coisa no seu lugar.

Ah, e tem a parte do silêncio, tanta coisa a escutar. Ver o que vem de dentro. O sábio silêncio da meditação - que vem também de um bom filme, de um bom livro ou da hora máxima do amar. Por um momento que seja, renova e deixa todo o resto para trás. Cura tudo, dizem. Afasta doenças físicas e mentais. Abre espaço no cérebro. E nos invade com uma calma enorme, nem dá para contar. E da respiração que pouco pega e muito devolve, pouco ar que entra e muito que sai, levando com ela nossas travas, receios e impaciência, a dona da casa. Ficamos mais tolerantes com o mundo. E com a gente. A lição começa nesse leva e traz. Quem se sente aliviado com um suspiro já sabe por onde começar.

Não faço mais Yoga, mas nunca mais fui a mesma. Sinto falta do incentivo em voz calma, e do relaxamento ao final das conquistas. Dos abraços amigos da despedida. Dos pensamentos circulando sem  tropeçar. De tentar coisas novas sem medo. Mas as melhores lições ficaram dentro de mim. Ainda me descobrindo. Amar o mundo. O meu e o teu.

"Quando eu disse ao caroço de laranja que dentro dele dormia um laranjal inteirinho,
ele me olhou estupidamente incrédulo..."

Prof. Hermógenes, grande professor e divulgador da Yoga no Brasil

4 comentários:

  1. Tb fiz Yôga...e sinto falta mesmo de tudo isso...principalmente sinto que está me faltando algo...agora que não estou praticando fica essa sensação de ansiedade...ânsia pelo equilíbrio.

    ResponderExcluir
  2. Joyce, excelente post... vc conseguiu descrever com riqueza o que sentimos e alcançamos com a prática do yoga. Bora voltar a praticar!

    Grande beijo, Erica Augusto

    http://duplotriplomultiplo.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. sempre muito profundos seus textos... amei,acho que vou pedir emprestado pra postar lá no meu blog... isso poderá ajudar muita gente!

    ResponderExcluir
  4. é...falta voltar...tenho muito ainda que aprender!

    ResponderExcluir