segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Sim!



"Você disse que não sabe se não
Mas também não tem certeza que sim
Quer saber?
Quando é assim
Deixa vir do coração"
Se, composição de Djavan


Ontem antes de desligar o computador e desligar-me do dia -  que rendeu , diga- se de passagem - talvez pela hora a mais (risos), escutei essa música. Não queria uma trilha sonora triste, antes do fechar das cortinas, que desencadeasse uma fuga do sono em mim. Então, me veio essa, pacotinho rosa para fechar bem o dia. Achei graça da letra, retratando de forma risonha um dos delicados hits de nossa vida e que está conosco em todos, - sim, todos - os momentos o decidir-se. A boa -  ou nem tanto - escolha faz toda a diferença. Desde a forma que decido me levantar, de bem com a vida ou não. Como a forma que chamo meu filho, com beijo ou simples chamada da porta. Como faço seu café e sento para conversar, sem pressa. Como olho para ele, mescla de sono e sorriso, mas com brilho. E da forma carinhosa que ainda beijo a sua  testa antes que saia, coisa eu faço a quase 16 anos. Assim também será quando ele estiver pronto a sair. Melhor, creio. Leva na mochila minha alegria. Meu amor.
Sozinha, hei de me deparar com minhas coisas a fazer, a lista na agenda, da casa e do trabalho.Lembrar das coisas. E de mim.  A forma que me cumprimento frente ao espelho. Que me cuido, que me digo bonita ou feia. Que me valorizo ou desprezo. Me incentivo ou recrimino. Com saio do quarto pronta para o dia. Se decidida ou vacilante.
Meu começar bem o dia está no jeito que falo com a secretária que chega (temos uma vida juntas...15 anos). No bom dia bem dado e sincero, esperando mesmo que tenhamos. E até com o cachorro que,só com a chegada dela, se levanta. Sentada na frente ao computador, meu jeito de me relacionar com muitos, sei que o jeito que eu chegar será fatal para que as pessoas sorriam ou não. Que se sintam melhores ou não.
E assim vai passando o dia e eu escolhendo que Joyce o dia que vai ter. Como acordo o amor para dar meu bom dia. Se triste ou pura alegria. As próximas horas de me ser  decididas em uns minutos de atenção. Se decido que a vida é um presente, melhor então!
Já notei que o meu jeito de estar muda muito. Muda tudo. Faz a diferença. Meu filho sai de bom humor ou não, conforme o chamo e cuido. Minha fiel escudeira , relaxa, mesmo sendo segunda-feira, dia mundial do mal humor. Ou quebra tudo. Faz suas tarefas com interesse, com mais gosto, como eu. O que vai se retratar na forma que cuida da casa, das roupas e até do cão. Essa energia que joguei ao léu retorna para mim. Feito perfume no ar. Propagação do melhor. Eu, no como respondo as mensagens, como calculo o próximo passo. Como recebo o dia. Com amor ou não.

Vejo muito disso no sexo feminino. Esteio, centro, destino. Se ela balança, a casa vai junto. Se ela é firme, a casa vai em frente. Se carinhosa, as coisas fluem. Que poder é este que nos deram, querendo ou não, aceitando ou não? Parece um peso, e  será, se assim se fizer. Mas não há como escapar: a energia do dia, esse ser masculino, está na mulher!

E continua Djavan:

"Se é assim
Você tem que largar a mão do não
Soltar essa louca, arder de paixão
Não há como doer pra decidir
Só dizer sim ...ou não".





















2 comentários:

  1. Compreendes tão bem e simplificas tanto a grandeza de ser mulher que me emocionas...
    Su

    ResponderExcluir
  2. 'E assim vai passando o dia e eu escolhendo que Joyce o dia que vai ter".
    Escolhes a Joyce do dia, mas te entregas inteira a cada texto...
    E ainda por cima, linda...
    DdeS

    ResponderExcluir