segunda-feira, 28 de março de 2011

Costurando



Acho que nunca passei tantos dias sem escrever. Assunto não faltava, nem falta, mas deve ser esse cansaço na'lma. veio junto com o cansaço físico, acompanhado do mental. Veio tudo junto e numa vez só, como sempre a vida faz com a gente. Feito uma refeição de vários pratos, uns bons, outros nem tanto, alguns até indigestos, que a gente vai engolindo , querendo ou não - nosso sapos - e só depois vê o estrago. Uma indigestão de viver. Não por ser tão ruim, já que tiro de letra, eu, a "super mulher", mas pelo fato do exagero. Do muito de tudo. Do engolir sem nem sentir o sabor. Nem ao menos mastigar. Trabalho, estudo,  familia. Muito de tudo. E amor. Muito. Sem ele não ia dar. Sim, amor em tudo e sobretudo. Sem ele, já dizia Renato Russo, eu nada seria.
Coloquei amor no trabalho. Um amor incondicional, eu diria. Dou, e nem sempre recebo a contento. Um amor por vezes traiçoeiro, que me fez - e faz - esquecer de mim. Horas de pé, sem me cuidar, sem me alimentar,  a não ser de novidades e sorrisos, sinceros ou nem tanto.
Coloquei amor nos estudos, pois sem ele nem teria coragem de sequer ir à aula. Muito menos participar, me interessar, querer ficar. E foi dureza, eu juro...Não por desinteresse, e sim pelo cansaço.
Coloquei amor na familia, ao viajar mesmo cansada para vê-la em grande estilo, momento único, todos juntos - ou quase. E ver como é tênue esse amor, essa ligação. E que convêm vê-los em paz, sem grandes arroubos, sem grandes agitações. Visitas do nada, sem datas especiais. Como se o cansaço tirasse metade do sossego de se amar, de se interessar. De sentar e escutar. Acarinhar. Bem receber e ser recebido. Como se ele - o amor -  fugisse do foco. Mas fui, fiz, vi e fui vista, amei e fui amada na medida do possível para o momento, nem sempre a contento, para mim e para os outros. A não ser com meu filho, sempre meu  e cada vez mais essa ligação que me nutre e me dá  a certeza de que , sim, acertei, acerto. Pela educação, pelo interesse pela vida dele e dos outros, pela astúcia, pelo carisma, pelo humor bem controlado. Jeito da mãe, sonho em dizer.  Ah, e pé de valsa. Meus pés cansaram bem antes que os dele. Meu ânimo também. Deve ser a diferença de idade e de tamanho. Ou porque para ele tudo ainda é novidade...
Recebi amor também, muito, não posso negar. Recarga de mim. Da melhor. Amei tanto quanto fui, ou mais,  dado que o amor , desconfiado, não se entrega assim fácil. Um amor que me emociona sempre que me olha nos olhos - sem precisão de palavra. Quando me dá seu calor sentindo meu frio, sempre interno. Quando me incentiva a seguir, me acompanha na minha passagem por ele. Quando aceita meu jeito de  amar. Respeita meu jeito de ser , mas me segue de longe para ver se pode ajudar. Nem que seja ficando quieto a meu lado, esperando eu me acalmar. Ou em fazendo dormir. Ou pelo menos relaxar.
Passei muitos dias sem escrever. Sem me curar. E hoje sinto falta.Tristeza acumulada ( ou somente cansaço, diria Clarice). Ando necessitada de um SPA. Não um Sanna per Acqua, bem sei. O amor também sabe disso e me disse que é só eu chegar que ele me recebe de braços abertos. Só falta agendar...
A vida tem disso, muito de nada e muito de tudo, e tudo muito junto, mistura enrolada, nem sei bem amarrada. Nem sempre bem costurada, nem bem arrematada. Mas mesmo assim discordo de Quintana , o Mário, quando diz que "minha vida é uma colcha de retalhos. Todos da mesma cor". Meus retalhos são outros, e bem coloridos, furta cor. Só falta juntar. Costurar as peças com as linhas rosas de me amar.

4 comentários:

  1. Pena não poder retribuir a altura teu carinho, paciência e atenção.
    É que a ficamos tão inebriados com o momento, querendo fazer tudo ao mesmo tempo, que acabamos não dando a atenção necessária como deveríamos.
    Fosse peça chave num evento tão marcante em nossas vidas.Magnífico!!!
    Bj,
    MEG

    ResponderExcluir
  2. Sempre sou peça chave, Meg, exatamente porque faço tudo com muito sentimento, com muito amor!
    Te amo, viu? Muito!
    Tua mana Joca

    ResponderExcluir
  3. E nem que seja pela passagem bombástica pela igreja rsssssssss

    ResponderExcluir