segunda-feira, 7 de março de 2011

Feminino




Nesta semana dedicada à mulher, vou falar de homens. Dá forma como - alguns, não vamos generalizar -  vêem a vida, tão diferente da nossa.
Escutei mais de uma vez na minha vida a frase " eu sou assim" por vezes com certa ênfase do tipo "e não vou mudar!". Coisa de homem. Não imagino ouvir uma mulher a falar isso, a não ser que não seja mãe. Ou companheira de alguém. Uma sozinha no mundo, o que mesmo assim pouco acredito. Sempre mudamos...
Mulheres estão em constante mudança. Estamos, sempre, nos moldando às situações. Acho que aprendemos isso com a nossa mãe, que aprendeu com a mãe dela e assim foi sempre, como no encontro de um espelho com outro espelho. De meninas passamos a mulher, de mulher a amante, de amante à mãe - de nosso filhos e , muitas vezes, do próprio companheiro. De mãe a avó, coisa que pretendo ser o mais tarde possível ( não por mim, mas por ele). Quando não somos, por vezes, todas ao mesmo tempo. Estamos sempre acertando as coisas, ajeitando, aparando arestas, mesmo que não seja o que queremos para nós. Mesmo que nos desvie do caminho traçado. Deixando para trás - ou pelo menos de lado - outras tantas até que as coisas se acertem. E somos assim em casa, no amor, no trabalho, na política: basta deixar nosso lado feminino falar. É como se fizéssemos malas de grandes viagens todo dia: sempre cabe mais uma coisinha. Para eles, pura besteira. Para nós, indispensável.
E vou além: já vi muita mãe largando o emprego por conta do filho. Ou por uma tarde em que a febre fez visita à porta sem nem avisar, ou por uns dias se a coisa ficou feia. Quem sabe anos, como sei de muitas. Ou uma vida toda, na falta de outro remédio. Sei de mulheres que mudam totalmente seu estilo de vida para companhar seu companheiro ( cedo ou tarde a vida cobra, mas...). De seus filhos. Da família. Dos pais. Ou que esqueceram seus sonhos - e se esquecem - em prol de alguém - filhos, homens, mãe, pai, sogra....Somos assim, versáteis. Moldáveis. Feitas de argila. Basta água e somos outra. Nova coisa. Nova obra. Outra pessoa.
Os homens não tem isso dentro deles ( desculpem mais uma vez os ofendidos, mas é necessário generalizar para o pensamento não sucumbir às excessões). São, desde pequenos, cuidados. Pela mãe, pelas avós, pelas irmãs, tanto faz. Quem sabe filhas, mais tarde. Não tem o instinto materno, como dizem por ai, coisa de fêmea, que cria até os filhotes de outros, mesmo não sendo da mesma espécie. Um tendo patas, o outro asas. E esquecem o principal: dependemos da felicidade deles. Dependemos que estejam bem. Que sejam felizes. Que se cuidem. Que melhorem sempre. Que cresçam. Que nos acompanhem, principalmente. Se não mudam - e sempre falamos isso mais por eles do que por nós - nos machucam. Nos preocupam. Nos deixam com o coração na mão. Perdemos o sono. Perdemos a razão. Perdemos a paixão. E não adianta o tempo passar: serão sempre nosso meninos.
Ah, homens... Nós sempre nos descabelando por eles - pelo bem ou pelo mal. Bom se acreditassem em Pepeu Gomes e fossem "homens femininos". Na verdade, o ideal seria como pensava Virgina Woolf:

" É fatal ser um homem ou mulher pura e simplesmente: deve-se ser uma mulher masculinamente, ou um homem femininamente".


"Olhei tudo que aprendi
E um belo dia eu vi
Que ser um homem feminino
Não fere o meu lado masculino

Se Deus é menina e menino
Sou Masculino e Feminino...

Vou assim todo o tempo
Vivendo e aprendendo"
 Trecho da letra da música Masculino e Feminino, de Pepeu Gomes, Baby Consuelo e Didi Gomes






























14 comentários:

  1. você descreveu com sensibilidade e nitidez o que somos e o que fazemos,mas tudo isso tem um preço, um preço alto demais, devemos refletir sobre se somos mães de formas diferentes a tantas pessoas..e de nós somos? madrastras? não pode,não deve, não é certo e nem justo.Por isso as vezes, por escolha e convicção devemos escolher a nós mesmas!!!"Troquei sonhos por objetivos. Eles são mais compactos, ocupam menos espaço e dão mais certo"

    ResponderExcluir
  2. "Troquei sonhos por objetivos. Eles são mais compactos, ocupam menos espaço e dão mais certo" , muito bom isso!
    Mas a gente é um ser que ama, Geane. E isso muda tudo! Tomare achemos alguém que reparta conosco essa 'lida'...

    ResponderExcluir
  3. Falou tudo, Joyce! Somos seres que amamos. E isso faz com que deixemos nosso eu um pouco de lado...mas só um pouco, tá? És linda demais, não podes ficar por trás de ninguém!

    ResponderExcluir
  4. Que texto...ingenuamente nunca tinha me dado conta... somos mães, só isso? Cadê a figura do homem protetor?

    ResponderExcluir
  5. Calma, gente, foi só um desabafo. Eu estou conseguindo contornar isso. Vá até um certo ponto no ajudar. Aprenda a dizer não. Ensine seu filho a ser independente.Imponha limites, não deixem que abusem de você.
    E quanto ao amor, ah, basta escolher o homem certo...:)
    Beijos a todas!

    ResponderExcluir
  6. Mulher, vc se superou! Soltou o verbo! Gostei de ver!Minha 'idala'!
    Com a palavra o Paco, o hoem certo!
    Beijossssssssssssssssssss da Mia

    ResponderExcluir
  7. ops, o Homem certo, e com H maisculo!

    ResponderExcluir
  8. Bem...falando mais diretamente sobre sermos seres que amamos...e amammos muito, e muitos tipos de amor. Mas ultimamente procuro pensar em o quanto posso me dedicar a cada amor, sem que "eu"deixe de existir...pra que eu faça uma outra pessoa feliz é necessário que eu exista, mas se para ela,isso não faz diferença...isso já é um indicativo que minha dedicação, só trará benefício ao objeto amado. Isso faz pensar não faz?

    ResponderExcluir
  9. Joyce, adorei seu texto, belo presente nesse tempo em que merecia o premio nobel da paciencia! Casa lotada com parentes e amigos de meu marido, e ele so festejando e eu juntando a tralha!!!!!Mereço!!!
    Deu vontade de ir lá e... kkkkkkkkkkkkkkkk
    ADOREI!!!!
    Su

    ResponderExcluir
  10. Su!!! Corre aprender a dizer NÃO!!!!
    Ou dá uma de louca e se manda para um shopping, vai ao cinema!!!! Deixa a casa cair!

    ResponderExcluir
  11. "pra que eu faça uma outra pessoa feliz é necessário que eu exista, mas se para ela,isso não faz diferença..." falou tudo, Geane, está ai a 'deixa'...Deixe-a!

    ResponderExcluir
  12. Entrei por acaso e já li muitos textos! Que delícia, um melhor que o outro! Muito de mim neles. Escreves de mulher para mulher, nosso medos, anseios, sonhos. E de forma tão delicada, como somos!
    E aqui fechas com a frase maior: somos seres que amamos...e quanta coisa fazemos e deixamos de fazer em nome dele...
    Grata pelo alerta
    Maria

    ResponderExcluir
  13. Mia, o Paco é um gentleman...Compreende o mundo feminino como niguém!
    Maria, que bom que gostastes!Todo dia tem uma loucura minha por aqui. E roubei tua farse para postar no facebook, ok?

    ResponderExcluir
  14. Na verdade é isso que temos que fazer: boas escolhas. E que sejam boas para nós também!
    Amar na medida certa, nem menos nem demais...Ajudar na medida certa, mais aconselhando que mandando...Só assim nos livramos de culpas...E ficamos mais leves!

    ResponderExcluir