terça-feira, 29 de março de 2011

Vida de cão?

Eu e minhas ideias. Aos outros podem parecer no mínimo estranhas, mas a mim, normais.
A máxima de hoje: a gente devia ser que nem cachorro. Comer quando dá fome, dormir quando dá sono. Receber as pessoas sempre de bom humor - pelo menos os que cheiram bem que nos querem bem. Saltitante, vibrantes. E mais:  beber quando se tem sede. Brincar quando dá vontade. Latir para quem se mete na nossa vida ou tempo roubar o nossos 'ossos'. Pedir colo a quem nos ama, pedir cafuné a quem nos quer bem. Aquecer quem está com frio. Ficar rondando a cozinheira  a espera de um presente. Nisso estou parecida hoje: rondando a vida, esperando que me agrade...  
Mas não sei ser como os cães. Tarde chuvosa e fria, eu desanimada, cansaço que não me larga. Das pernas à alma. Tentei ser como um cachorro, deixar para lá. Mas não deu, não dá. E eu teimando em trabalhar. Em ser alguém. Em ser especial. Em ser. Mas tem dia que nada agrada - ou quase nada. Fareja-se a ração e não entra. Se ficasse no meu canto estava sossegada. Como o cão que espera o melhor momento para agradar - e se agradar. E dá nisso: quanto mais se quer, mais se tem que correr atrás. Que o diga o cão que corre atrás do carro que passa, sem eira nem beira, e mesmo assim se diverte: porque nada espera. Não aprendi com os cães. Admito. Por isso estou assim, lerda. Comi demais, dormi de menos, agradei quem não devia agradar - ou pelo menos no momento errado. Sorri bem menos que do que devia, não porque as pessoas não  mereçam, mas porque não estou lá essas coisas. Deve ser a falta do amor. Sinto-me um cão sem dono, à procura de algo. Momentâneamente e por livre e espontânea burrice. Não dá para fazer como eles e esquecer as mágoas. Fazer de conta que não se falou o que não se devia ter falado. Que não se ouviu o que não se queria ter ouvido. Abanar para a vida  mesmo que tenha nos magoado. Seria bom. Mas nós humanos não somos espertos como os animais. E ainda os chamamos de irracionais...
Cachorro sempre está bem - a não ser o meu que é depressivo ( juro, a veterinária que disse!). Ou o passarinho de minha irmã que se depenou todo por falta dela. Fora esses rompantes, estão sempre bem.  Sempre levam a melhor - a não ser que sejam abandonados, de rua - mesmo assim, sempre acham quem os chame de companheiro, quem lhes dê um bom prato , um café quente, um canto para dormir (coisas que não faríamos com um desconhecido...). Alguém que os leve ao lado na caminhada. Que os adote sem mais nada. Por quem sejam fiéis. De quem esperem pouco, muito pouco ( e aqui está o segredo). Sempre são amados, acariciados, mesmo que imundos e babados. Deve ser os olhinhos pidões. O jeito sincero. Deve ser o rabo a contentar. Sabem agradar. Deve ser esse amor incondicional e infantil que têm para nos dar. E como nos fazem bem! Por mais que não retribuamos a contento. Por mais que os desdenhemos. Parecem sorrir ao deus dará.
Hoje, pelo menos hoje, eu juro que queria ser um cão...Não esperar muito. Deitar ouvindo a chuva, pensando em nada. Pedir colo - e ganhar. Deixar a noite vir e esse dia passar. Deixar meu dono me amar.
Quem sabe amanhã me sinto mais gente - ou cão?
É..tem dia que está mais para osso que para carne...

6 comentários:

  1. Joycinha! Andava aonde? Vc fez falta!!! Me deixou ser ar na semana passada!Pobre de mim, viciada...
    Cães...são a maravilha do mundo, eu tenho vários! Com certeza me dou bem mais com eles do que com muita gente! E imagino porque o seu fica depressivo...ter que dividir o seu amor com tanta gente, quem manda encantar?
    Paco, cara... dá inveja de vc, sabia? Não só por estar perto dela, mas porque pelo que vejo é reciproco, verdadeiro... vc está em cada frase, em todos os textos, nas saidas boas, nos colos...já aprendi a achar vc neles, tipo 'onde está paco" kkkkkkkkkkkkkk
    abençoados sejam! e felizes para sempre!
    beijus da Mia!

    ResponderExcluir
  2. Muitooo bom Joyce!!! Você descreveu um cão como ninguém! Eles são assim mesmo, e nós as vezes ficamos com uma pontinha de inveja, pq "esquecemos" de ser assim...incondicionais diante da vida e das pessoas, feito crianças, que esquecemos o que é ser uma!
    Beijo grande,adorei!!
    Ana.

    ResponderExcluir
  3. Encantar...taí a palavra, encantar. A Joyce encanta, já tinha dito isso a ela, daí estar encantado...taí, descobri...entre outras coisas... Mia, incrível tua perspicácia, nossa! Agradecemos, felizes!!!

    Paco! Feliz da vida, rsrsrs

    ResponderExcluir
  4. Eu perspicaz nunquinha.... é que ela é tão verdadeiramente encantadora que se ve facil, facil o amor nela... e achando o amor, la ta vc. Continua assim feliz e ajoelhado, "sr sorte grande"!
    Mia

    ResponderExcluir
  5. amei penco assim tanbem nota 10000000000000000000 kkkk

    ResponderExcluir
  6. pragmatica que sou...Vamos lá.
    Você tem opção.Pode ter um , dois , ou mais dias de cão.
    Vida de cão que tem sintonia e amor...com o dono...ou vida de cão que apenas tolera o dono..ou vice versa.O lance, a meu ver está na forma como vc escolheu assimilar as coisas que vêm pra vc.Tente deixa-las vir sem interferência..e apenas mude a forma de recebê-las.Simples assim..Detail..não é pragmatismo infantil...dá certo:)
    abraço de cão...ou seria de urso?:)

    ResponderExcluir