sábado, 2 de abril de 2011

Confesso!



Ontem foi o dia da mentira, e eu aproveitei para ficar de boca fechada. Dois motivos: conselho médico.
E para não mentir.
Sim, desculpe lembrá-los, mas somos, todos e sem exceção , mentirosos por natureza. Ou omissores (de omitir, existe essa palavra? Senão, anota ai...)  de verdades, se preferirem dizer. Eu sou. Admito. Já acordo mentindo para mim. Digo ao meu corpo que está tudo bem, que não estou com sono ou cansada. Digo ao dia que prefiro ele, à noite que me acolhe. Senão, o que seria de mim?
Sigo mentindo pelo dia. E para mim mesma. Que estou bem acordada e de bem com a vida, enquanto chamo o filho ainda deitado na cama, beijo na testa. Que estou mais jovem, enquanto me olho no espelho, de cara lavada. Que ainda estou com fome, enquanto devoro mais uma fatia de pão. Que estou animada para o dia, enquanto recebo a empregada. Que estou a fim de trabalhar, enquanto ligo o computador. Que estou no lugar onde deveria estar, enquanto minha cabeça está a milhas de distância daqui. Que estou feliz onde estou,  sonhando em ser uma milionária sem nada para fazer a não ser uma massagem. Que estou mais magra, enquanto a balança diz bem o contrário.
Minto a mim mesma que sou forte para aguentar tudo que me vem. E mais ainda quando digo que as coisas são assim mesmo, é só ir levando. Minto ao ver que o silencio em volta de mim continua e eu acho que é normal. Minto quando sei onde está a minha felicidade e, por medo de sair de onde estou, não vou atrás.
As únicas verdades da vida já nos atolam, pé na jaca: estamos, sim, mais velhos que ontem. Mais um dia se foi. Estamos mais próximos do próximo aniversário - e da velhice. Em compensação, ainda bem, mais sábios, assim espero. mais de bem comigo mesmo,apesar dos pesares. Mais rindo de mim mesma, grande vantagem. Sabendo-me outra, querendo mais, e mesmo assim tocando o barco, por vezes sozinha e sem remos, com as próprias mãos. Mas sabendo que vou chegar lá.
Então, vejo que tudo ai é uma grande mentira. O que eu queria mesmo era ser eu mesma, figura sossegada. Acordar todo dia sem pressa de sair de onde se está. Abrir os olhos e ver a pessoa amada. Tomar meu café sentada na cozinha ao lado de quem se quer estar. Fazer uma comidinha fácil quando a fome bater. Escutar as músicas que gosto no tom que quero sem ninguém para perturbar. Ler um livro qualquer e com ele me emocionar. Chorar com a cena de filme sem ninguém recriminar. Receber uns poucos amigos - amigos de verdade -  em minha casa, grande sonho. E brindar com água, na sala com flor no vaso e cachorro deitado do chão.
Minto muito. Falo o tempo todo que quero mais. Mais o que quero mesmo é saúde e paz. O resto vem atrás.

"As verdades podem ser nuas - mas as mentiras precisam de estar vestidas".
Dito judaico







6 comentários:

  1. tapa na cara... mas amei1
    Eu

    ResponderExcluir
  2. Concordo! Só uma mulher corajosa - melhor dizer uma pessoa corajosa - assume isso!
    Isso só lhe dá mais beleza e força
    EV

    ResponderExcluir
  3. Carambaaaaaaaaaaaaaaaaaa, Joycinha! CORAJOSA E LINDA POR DEMAIS!
    Muuuuuuuuuuuuito bom ler isso assim cedo, antes de estapear a vida uauauauauaua
    beijos da tua fã Mia
    Fui! Aula! Atrasada! bj no tal!

    ResponderExcluir
  4. Concordo com os outros/as. Grande verdade. Como mentimos, nossa! E só tendo muita coragem para assumir! E tens!
    Parabéns pelo texto leve e verdadeiro!
    Ana S

    ResponderExcluir
  5. O que poderia ser uma confissão amarga, transformastes em algo leve, divertido.
    Eita dom!
    Gi

    ResponderExcluir
  6. Agora, querida Joy, não fique só nas palavras, concretize... Faça valer, amiga!!!

    ResponderExcluir