quinta-feira, 16 de junho de 2011

Sendo



Sou um ser muito estranho. Ou não. Paro para pensar se tudo o que fiz - gostei, aplaudi, 'cartilhei' - nessa vida era mesmo, eu ou outra, mais atrevida - me agradava de verdade. Ou se era embuste, ter que. Ou se hoje estou é mais esperta.
Já fui metida. Já jantei com governador, servi senador de peixe feito por mim. Já passeei com destreza de quem entende pelo mundo maravilhoso - mas por vezes fresco demais - dos vinhos. Já provei champagnes e uísques 'carésimos', daqueles com lacre. Já me hospedei em hotéis famosos. Conheci restaurantes da alta. Provei comida de renomados gourmets. E fui convidada de honra de cerimônia do chá. Fiz cara de quem gosta de caviar, já destrinchei lagostas como ninguém. E ai eu me pergunto: para agradar a quem?
Gosto mesmo de uma comidinha feita em casa - minha ou de amigos, quer melhor acompanhamento? um belisquete qualquer - pão, azeite e vinho. Cozinhar é bom para quem aprecia, para quem ajuda, nem que seja elogiando. Cozinhar é bom para quer se quer bem. Para quem nos quer bem. Comida é boa quando bem apreciada, degustada a contento e com simplicidade de ser. Escolher com carinho o cardápio, um por um dos ingredientes  e trocar de ideia ou se inventar caminhos só porque 'deu na telha' ( de onde vem isso?Que telha? ). Acrescentar temperos de última hora, ou um acompanhamento que me veio à cabeça. Ou para agradar quem está do lado. E apostar na mesa bem posta, bem servida de comida e alegria. Colorida de enfeites e de pessoas queridas. Comida  calorosa, calorosamente esperada e recebida. Para isso, basta uma sopa, um caldo qualquer. Uma salada 'ultramegacolorida, mas longe de ser de dieta. Uma mistura inusitada de sabores, como quem experimenta tudo na vida. O cheiro bom tomando conta de tudo. E o coral de tantos 'hummmmm ' como fundo musical. E ver a tropa toda levantando para dar guarida quando o assunto é por tudo em ordem. Um chá perfumado para fechar o ritual, sim, mas nunca sem uns biscoitos para adoçar. E se a conversa correr solta, e ninguém se levantar para ir  embora, correr para fazer um bom café - destes com leite, pão de casa, doce e cuca. Quem sabe isso vira janta?
Já tive vida chique. Já fui cheia de não me toques. Mas é a vida simples que me encanta que me toca. É nela que me deixo ser, que me sinto livre. Que me amo e sou.  É nela que quero estar!

E as coisas lindas são mais lindas
Quando você está
Onde você está
Hoje você está
Nas coisas tão mais lindas
Porque você está
Onde você está
Hoje você está
Nas coisas tão mais lindas
Pedaço da letra da música As Coisas Tão Mais Lindas, de Nando Reis

 




Nenhum comentário:

Postar um comentário