segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Nina



"Preciso de paciência, porque sou vários caminhos,
inclusive o fatal beco sem saída".
Clarice Lispector

Acho que é a primeira vez que discordo da grande dama das palavras verdadeiras. Por vezes simplifico sua ideia, outras tantas acomodo com minhas palavras.  Muitas até acho graça de tamanha verdade. Outras, interpreto a meu favor.Talvez pelo meu otimismo por vezes infantil ou romântico. Ou que sabe minha teimosia de quer ser feliz. Cabeça dura, podem me chamar, mas não das que freia e fica. Mas da que caraminhola, que mastiga, que rumina uma ideia, que come pelas beiradas feito mingau quente até raspar o prato - um fato,  um sentimento, uma mágoa,  coisas boas ou más, até que sua digestão goela a baixo posso iniciar seu caminho - para o coração ou ...
Beco sem saída, cara Clarice, não acredito. Na pior das hipóteses pode-se voltar para trás, voltar atrás, nem sempre fácil, nem sempre cômodo, como quem se cura com remédio enorme, difícil de engolir. Mas o que é fácil, além de um bom sorvete ou um morno chá? Mas não quero voltar, nem desistir, quero seguir, ir em frente, apostar no que acredito, no que ouso querer para mim. O caminho nunca é fácil, nunca pura flor, mas nem pura pedra, e nunca será. E se fosse, enjoaria ou cansaria.  E vi tanta coisa boa pelo caminho que quero ficar. Seguir. Prosseguir, sem nem saber onde isso vai dar - mas sabendo onde quero ir. Se não me jogando como sempre fui, por vezes livre vôo, tateando, devagar, mas seguir. Persistir. Me deixar levar. Quem sabe dá?
Ruminar, sempre bom. Mastigar muito, pelo menos. Mas pede silêncio da alma, nem sempre disposta a se calar. E fica aquela discussão medonha, por horas ou até dias, entre o coração e a cabeça, a razão e a emoção. Quem tem razão? Sei lá. Tento pesar os famosos prós e contras, deixar de fazer tempestade em gota dágua ( mas uma gota pode ter tanto veneno...), assimilar, transpirar . Refletir, insistir. Aceitar, bela palavra. O sim no lugar do não. A calma ao invés das explosão. E muito, muito amor para dar, inclusive para mim.
Assim estou, não sou. Combinando com o dia chuvoso e frio que parece desacelerar sentimentos - ou apimentá-los? Ser ou não ser? Sentir ou deixar passar? Distraio minha mente para ver se , no descanso, ela esquece e deixa para lá, como quem vê um pássaro e se deixa voar...

Nenhum comentário:

Postar um comentário