sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Uni duni te



Minha amiga Gina escreveu:
 "o primeiro passo é a escolha, o resto é consequência".
Uma frase simples, mas de profundo pensar.  Simples, se for o que comer, por exemplo. Ou vestir. Até cabe um arrependimento, mas pouco, logo passa com o passar das horas. Mas e os outros tantos passos que damos na vida? Bom se tivéssemos uma bola de cristal, não sempre como quem vive com o baralho de tarot nas mãos. Mas uma ajuda, que às vezes vem, quando deixamos a intuição aflorar.E tantas e tantas outras que, por cegueira inoportuna, tateamos na vida sem muitas vezes nem saber onde estamos, onde vamos parar.
Ah, e as malditas consequências. Desde pequenos nos ensinam a ter medo delas. "Faça, mas aguente as consequências", diz a mãe já certa de nossa escolha nem sempre correta, pelo menos aos olhos dela. Isso nos assusta, como quem puxa para trás.  E pior ainda quando fazemos as escolhas e até que tudo termine bem, não temos certeza se foi boa ou não. Outras, nunca se tem fardo pesado. E fica aquele gosto amargo do 'e se' pairando na boca. Que bom quando a escolha é certa, até de um vestido quando queremos variar. Ou de um novo corte de cabelo, esmalte novo nas unhas. Quem sabe sabor  de sorvete. Mas as grandes escolhas da vida, aquelas que nos levam por um caminho ou outro, a das encruzilhadas do tudo ou nada, ah, temo. Viram desenho de canetinha que sai com o banho. Ou tatoo, selada.Vontade louca de pegar a mala e me mandar. Ou de me deixar levar, ver no que dá. Não se sabe de vai dar na praia ou no abismo.
Deve ser por isso que algumas pessoas nada arriscam. Não põe suas cartas na mesa, não soltam suas fichas. Nem sentam para ver o jogo. Pegam aquele rumo de sempre, pedem sempre os mesmos pratos e seus mesmos sabores. Levantam e deitam sempre na mesma hora. Vestem sempre as mesmas roupas. Vêem os mesmos programas. Um ritmo lento, compassado, acertado feito relógio suíço. Talvez mais calmo, talvez mais cômodo, talvez durem mais, chorem menos. Quem sabe seus batimentos nem se alterem mais. Sua pressão seja sempre a mesma. Talvez estejam morrendo aos poucos e nem saibam...Como todos nós, cada dia um a menos, mas , para nós, bem lembrados conforme o tempero que se dá!
Lembrei da propaganda que perguntava: " o que você vai contar aos seus netos?"
Meus 'causo' davam era um bom livro...

"Você faz suas escolhas, e suas escolhas fazem você".
Steve Beckman

Nenhum comentário:

Postar um comentário