quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Ah, vai!

Engraçado...Muitas vezes só me dou conta de uma coisa - ou relembro, porque muita coisa a gente sabe, já se deu conta e esquece - depois que escrevo. Por isso, bato insistente na tecla de que escrever-me é curar-me. Num dos tantos recadinhos carinhosos hoje no Facebook, esse mundo virtual, mas extraordinariamente semeador,  postei:

"Sorriam, sempre que possível e mais ainda quando impossível. Porque sorrisos são tão ou mais contagiantes que bocejos...e tão mais simpáticos!

Pois é.  Dei-me conta disso, que é no que acredito: um sorriso é melhor em qualquer ocasião. Em caso de dúvida, como daquela pessoa que te chama pelo nome e você não consegue achar quem é nas gavetas abarrotadas de  gente do cérebro. Ou da paquera que não se sabe se é ou não é. Em caso de gafe, por pior que seja, melhor sorrir que tentar arrumar. Como diz o ditado, "quanto mais de mexe, mais fede". Em caso de dor, também, porque ninguém gosta de ver o outro triste, nem o coveiro. Ou em caso de ver a tristeza do outro, melhor sorrir, quem sabe ele melhora? Ou você já viu alguma voluntária chorando pelos cantos do hospital?
Um sorriso, mesmo amarelo, mesmo "de durex", é , sempre, a melhor saída. Um sorriso, mesmo na pior, meia cura. Um sorriso, ao cruzar com outro, dá cria, brota do nada. Mesmo na hora daquela vontade louca de chorar. Mesmo na hora da vontade louca de "matar". Porque , penso, ninguém é obrigado a suportar a minha dor, seja ela qual for, nem a minha tristeza, nem meu medo ou decepção. Nem minha raiva de mim mesma. Ninguém é obrigado a repartir minha saudade, nem minha solidão - esta, doída, mesmo em sala cheia de gente.
Quer melhorar? Força uma gargalhada. Conta uma piada. "Posta " uma coisa engraçada. Ri da vida, essa intrometida. Ri de si mesmo, melhor remédio. Lembra da parte boa - que todas as coisas do mundo tem. Lembra dos bons momentos, mesmo depois da briga. Lembra do afago, da boa comida. Pensa no lado A. Pensa no melhor que há para pensar. Faz uma coisa para se agradar. Come alguma coisa "proibida" e ri da contrapartida. Dá uma caminhada no sol. Olha o mar. Olha o que de bom tem para olhar. Força uma conversa gostosa na padaria. Põe uma música boa. Escuta uma música nova. Cantarola uma antiga, das boas. Vê fotos que te façam rir, tamanha cafonice.
Ai, satisfeita, podes até cantar baixinho, para que  ninguém ouça, essa velha canção:

"Quem me vê assim cantando,
Não sabe nada de mim
...
Dentro de mim mora um anjo
Que me sufoca de amor
...
Ele é meu lado de dentro
Eu sou seu lado de fora
...
Quem me vê assim cantando
Não sabe nada de mim"

Simples assim!


2 comentários:

  1. Ainda mais com um sorriso destes...

    ResponderExcluir
  2. Quem te conhece sabe bem a força que tens!
    Tanta que até represas para não extravasar de vez!
    Linda!

    ResponderExcluir