sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Dever?



O blog estava lá para ser lido, feito revista deixada na sala de espera, aberta:

"O que nossa época nos exige? Euforia, confiança, velocidade. Temos de ser pró-ativos. O que ela nos promete? Se soubermos traçar nossas metas e construir nossa estratégia, atingiremos o sucesso. Se produzirmos e consumirmos, alcançaremos a felicidade. Ser feliz deixou de ser uma possibilidade esporádica para se tornar uma obrigação permanente. Para nós, seres desta época, nada menos que o gozo pleno. Fora disso, só o fracasso. E o fracasso, este é sempre pessoal. Se não alcançamos o que nos prometeram no final do arco-íris é porque cometemos algum erro no caminho. E fracassar, como sabemos, passou a ser não um fato inerente à vida, mas uma vergonha."

Tremi. Coube. Vejo-me às voltas com mil  coisas - não problemas , e sim decisões, coisas bem diferentes. Decisões não leves, como quem escolhe o restaurante ou o prato da vez. Ou o corte de cabelo, quem sabe a sessão de cinema. E sim, caminhos. Muitos, sem volta. E eu tenho escolhido muitos, a toda hora e a todo momento - alguns que me levaram a altos muros, intransponíveis. Outros consegui contornar e achar saídas - ou entradas - mesmo apertadas. Outros ainda me levaram a portas abertas, escancaradas, mas nem por isso mais fáceis: muito pelo contrário. Tenho olhado pela janela com aquela cara esperançosa de quem vê céu preto e reza para não chover...
E ai leio a frase de Steve Jobs, mestre na rapidez, e recém levado dessa vida , quem sabe, para uma mais calma:

"Precisamos focar e fazer as coisas em que somos bons. Foco significa dizer não a centenas de boas ideias.”

Dizer não. palavra tão pequena, tão simples, mas de uma complexidade monstra. Não, três letras apenas, mas tão forte.  Não, porque é sempre tão difícil dizer? Porque fica sempre mais fácil aceitar as coisas e deixar como estão. Porque temos sempre que acertar? Porque  temos, porque  nos é imposto desde sempre. Assim como nos é imposto ser feliz, se dar bem ( e todas as implicações disso), estar bem sempre ( como eu disse outro dia, um caco por dentro , mas bonequinha de porcelana por fora) . Ser bem sucedido como pessoa, como profissional. Como pais, como filhos, quem sabe como espíritos santos, amém. Não há lugar para infelicidades, tristezas, dúvidas, receios, medos. Não há lugar para unhas ruídas. Não há lugar para complexos. Não há lugar para questionamentos a não ser o do porque não nos encaixamos na "sociedade". Não  há lugar para quem quer ficar sozinho, nem por um momento - e quem é mãe sabe o quanto isso é difícil. Não há tempo para paradas, para se repensar, revisar, rever coisas e sentimentos. A vida parece um trem bala sem conexões, sem voltas. Uma rápida sucessão de ter que no lugar de querer. Não há tempo para nos sermos por completo - se é que ainda sabemos como é isso, se é que ainda sabemos o que realmente queremos, quem realmente somos ou queremos ser. Nossas escolhas vem na rapidez de um controle remoto, um zapping frenético, nem dá tempo de se entender. Pena não terem me dado um controle para me desligar...Ou uma pílula que me faça outra.

2 comentários:

  1. Tive que ler e reler.Seu texto golpeia a gente - e hoje mais ainda. Pela verdade, coisa que não estamos mais acostumados. Homem é bicho estranho, deixa coisa rolar, põe na banguela os quereres - além dos materiais , que nos matamos para correr atrás. Mulher não, vocês querem sempre mais, sempre tudo, sempre muito. E assumir isso, assim publicamente, é para poucas. Tão somente as corajosas como você. Parabéns. Minha admiração saiu fortalecida ainda mais.

    ResponderExcluir
  2. Querida, tudo isso é real...sentimentos conflitantes.
    Medos de errar? e dai se errar? que medo é esse do fracasso? que gosto de frustração isso os dá!!! isso eu bem sei...e como!!!
    Mulheres perfeccionistas acabam sendo madrastas de si mesmas e tão mãe de todos!!!
    A frase que mais se encaixa nesse texto seria- tudo acontece ao seu tempo...um dia entenderemos, porque agora e não antes, porque desse jeito e não do jeito que queremos? um romper de tantas coisas sereno e tranquilo...
    Rosas tambem tem espinhos....caminhos felizes...também tem obstáculos...o que acalente é um dizer antigo...retro que sou !!!
    O tempo é um santo remédio!!!
    bjks no coração Joy.

    ResponderExcluir